Chile permite venda de medicamento à base de maconha

Sativex é utilizado para tratar a esclerose múltipla e controlar os espasmos musculares associados

Priscila SennaPriscila Senna - Foto: Divulgação

O Chile permitiu pela primeira vez a comercialização de um medicamento produzido com maconha, erva cuja venda está proibida no país e sobre a qual o Congresso debate um projeto de lei. O Sativex, remédio utilizado para tratar a esclerose múltipla e controlar os espasmos musculares associados, será o primeiro comercializado regularmente em farmácias após ter recebido a permissão do Instituto de Saúde Pública (ISP) do Chile.

"Pela primeira vez no país foi aprovado pelo Instituto de Saúde Pública (ISP) do Chile o registro de um medicamento fabricado à base de cannabis, o qual poderá ser distribuído e utilizado no Chile", indicou um comunicado do ISP divulgado nesta quinta-feira (13) em sua página na Internet. O remédio terá um custo aproximado de 1.500 dólares. Ele será importado e distribuído por um laboratório que apresentou em março a documentação ao ISP para obter a permissão de venda, que será efetuada mediante receita retida e com controle de estoque.

"O registro sanitário do Sativex foi aprovado já que ele cumpre todos os requisitos regulamentares de qualidade e já demonstrou sua segurança e eficácia para a indicação solicitada", declarou Alex Figueroa, diretor do ISP, no comunicado. A venda de medicamentos produzidos com cannabis foi autorizada em dezembro passado pela presidente Michelle Bachelet após um decreto que legalizou a elaboração e comercialização desse tipo de fármaco.

"Esta é a melhor alternativa dentro das que se tem como terapia da dor, mas sempre sob supervisão médica por ser um psicotrópico", explicou o vice-ministro de Saúde, Jaime Burrows. O ISP autorizou há dois anos a entrada do Sativex no Chile para o caso excepcional de uma mulher que tem lúpus e câncer de mama. No Chile, ainda que seja permitido o consumo particular, a venda da maconha é passível de pena, mesmo que a lei deixe para livre interpretação a questão do auto-cultivo.

A Fundação Daya lidera uma grande plantação de cannabis para uso medicinal em Quinamávida, 350 km ao sul de Santiago, com mais de 6.400 plantas de 16 variedades com o objetivo de fornecê-las para doentes sob controle médico. O Congresso chileno debate um projeto de lei que regule o uso e o auto-cultivo da maconha. O governo apresentou indicações sobre o conteúdo da norma que reduz de dez para duas gramas o porte legal da droga e o auto-cultivo de dez plantas para apenas uma.

Veja também

Ataque suicida perto de escola deixa 18 mortos no Afeganistão
TERROR

Ataque suicida perto de escola deixa 18 mortos no Afeganistão

Espanha considera 'estado de alarme' por Covid-19; Madri impõe novas restrições
Coronavírus

Espanha considera 'estado de alarme' por Covid-19; Madri impõe novas restrições