China denuncia 'doença crônica' do racismo nos Estados Unidos

A revolta nos Estados Unidos foi provocada pela morte em Minneapolis de George Floyd, um afro-americano de 46 anos, em uma ação de um policial branco

Manifestantes protestam ação policial contra George FloydManifestantes protestam ação policial contra George Floyd - Foto: Roberto Schimidt / AFP

A China criticou nesta segunda-feira a "doença crônica" do racismo nos Estados Unidos, após a morte de um cidadão negro detido pela polícia, caso que provocou manifestações, algumas violentas, no país.

Os incidentes em várias cidades americanas são o sinal da "gravidade do problema do racismo e da violência policial nos Estados Unidos", declarou à imprensa o porta-voz do ministério chinês das Relações Exteriores, Zhao Lijian.

A revolta nos Estados Unidos foi provocada pela morte em Minneapolis de George Floyd, um afro-americano de 46 anos, em uma ação de um policial branco.

Leia também:
EUA registram outra jornada de protestos contra o racismo
Protestos que incendeiam Minneapolis escancaram racismo estrutural nos EUA
EUA: policial é acusado por homicídio de terceiro grau pela morte de George Floyd


Zhao fez uma comparação entre a violência nos Estado Unidos com a que sacudiu no ano passado a região semiautônoma chinesa de Hong Kong, em reação à influência de Pequim na ex-colônia britânica.

Para ele, a resposta dos Estados Unidos às manifestações contra a violência policial em seu território é "um exemplo clássico de seus duplos padrões mundialmente famosos".

"Por quê os Estados Unidos tratam como heróis os partidários da violência e da suposta independência de Hong Kong, ao mesmo tempo que chamam de 'agitadores' aqueles que protestam contra o racismo?", questionou.

O governo do Irã também criticou a reação do governo americano no caso George Floyd.

"Ao povo americano: o mundo ouviu o grito de vocês sobre o estado de opressão. O mundo está ao lado de vocês", declarou o porta-voz do ministério iraniano das Relações Exteriores, Abas Musavi.

"E aos funcionários do governo e à polícia americana: parem a violência contra seu próprio povo e deixem que respire", completou.

"Lamentamos profundamente ver o povo americano, que busca de maneira pacífica respeito e não mais violência, reprimido indiscriminadamente e encontrar com a violência máxima", disse Musavi.

Também acusou o grande inimigo da República Islâmica de "praticar a violência e o assédio em casa e no exterior".

Veja também

EUA destacam 'metas promissoras' de Bolsonaro para proteção ambiental
Diplomacia

EUA destacam 'metas promissoras' de Bolsonaro para proteção ambiental

Israel realiza novos bombardeios na Faixa de Gaza em resposta a balões incendiários
Conflito

Israel realiza novos bombardeios na Faixa de Gaza em resposta a balões incendiários