China diz que tensão na Coreia do Norte chegou a um 'ponto de inflexão'

Em declaração, a China pediu moderação a todas as partes envolvidas no conflito e reiterou seu pedido por negociações de paz na região

ChinaChina - Foto: AFP

O governo da China disse nesta terça-feira (29) que a crise na península coreana chegou a um "ponto de inflexão" após o disparo de um míssil pela Coreia do Norte sobre o território do Japão.

Em declaração, a China pediu moderação a todas as partes envolvidas no conflito e reiterou seu pedido por negociações de paz na região. Segundo os chineses, as pressões e sanções contra Pyongyang "não podem resolver o problema".

Leia também:
Coreia do Norte lança míssil que sobrevoa Japão
Temer vai à China para reunião do Brics e em busca de investimentos

Novo teste


De acordo com militares da Coreia do Sul, o projétil percorreu cerca de 2.700 km e alcançou uma altitude de 550 km, atravessando a ilha de Hokkaido. O artefato se desfez em três pedaços antes de cair no mar.

O sistema de alerta J-Alert, do governo japonês, aconselhou os moradores locais a tomarem precauções, mas a emissora pública NHK informou que não foram registrados danos a navios ou a qualquer outra estrutura.

Os militares japoneses não tentaram derrubar o míssil, que passou pelo território do país por volta de 6h06 locais (18h06 de segunda no horário de Brasília).

Reações


O premiê japonês, Shinzo Abe, classificou o episódio de "uma ameaça grave sem precedentes". Ele cobrou das Nações Unidas que amplie os mecanismos de pressão sobre o ditador Kim Jong-un para que Pyongyang suspenda seu programa militar.
Abe e o governo americano solicitaram a convocação de uma reunião do Conselho de Segurança, que deve acontecer na noite desta terça (29). Horas após o lançamento, a Coreia do Sul fez um exercício militar com mísseis em retaliação ao país vizinho.

O regime norte-coreano não comentou especificamente sobre o lançamento de mísseis, mas publicou uma mensagem desafiando os EUA no "Rodong Sinmun", seu jornal estatal. "Os EUA precisam saber que nenhuma intimidação à República Democrática Popular da Coreia com sanções econômicas, ameaças militares e chantagens fará que a República Democrática Popular da Coreia retroceda do rumo que escolheu para si."

Veja também

"Voltaremos de alguma forma", diz Trump antes de partir de Washington
PRESIDÊNCIA

"Voltaremos de alguma forma", diz Trump antes de sair

Vulcão Etna entra em erupção
FENÔMENO

Vulcão Etna entra em erupção