A-A+

China planeja 'lua' artificial para iluminar zonas urbanas

Em caso de sucesso, outras três luas artificiais serão lançadas até 2022

A estratégia de Bezos para o retorno à Lua é bastante conservadora e se alinha com o que a Nasa fez nos anos 60 com o programa Apollo. A estratégia de Bezos para o retorno à Lua é bastante conservadora e se alinha com o que a Nasa fez nos anos 60 com o programa Apollo.  - Foto: Felipe Ribeiro/Arquivo Folha de Pernambuco

A China planeja lançar sua própria "lua artificial" até 2020 para substituir a iluminação urbana e reduzir os custos de energia elétrica nas cidades, informa a imprensa estatal. Chengdu, uma cidade da província de Sichuan (sudoeste), está desenvolvendo "satélites brilhantes" que iluminarão, em conjunto com a lua real, mas que serão oito vezes mais luminosos, afirma o jornal China Daily.

A primeira 'lua' feita pelo homem deve partir do Centro de Lançamento de Satélites Xichang em Sichuan, indicou Wu Chunfeng, diretor da organização responsável pelo projeto, a Tian Fu New Area Science Society. Em caso de sucesso, outras três luas artificiais serão lançadas em 2022.

Leia também:
China vai manter política monetária 'prudente' em plena guerra comercial
Lua tem dois depósitos de gelo, diz Nasa


O primeiro lançamento terá caráter experimental, mas os satélites lançados em 2022 serão "reais" e terão um "grande potencial cívico e comercial", explicou Wu ao jornal China Daily.

Ao refletir a luz do sol, os satélites podem substituir a iluminação urbana em cidades, uma economia de 1,2 bilhão de yuanes por ano (cerca de 632 milhões de reais) em energia elétrica na cidade de Chengdu quando a lua artificial iluminar uma área de 50 quilômetros quadrados. A fonte de luz alternativa também pode ajudar nos trabalhos de resgate em zonas que sofreram desastres e que registram cortes de energia elétrica.

A AFP não conseguiu entrar em contato com Wu nem com o grupo Tian Fu New Area Science Society para confirmar a informação. A China não é o primeiro país que tenta captar luz solar. Nos anos 1990, cientistas russos usaram espelhos gigantes para refletir a luz do espaço, em um projeto experimental chamado Znamya ou Banner.

Veja também

Índia vai exportar oito milhões de vacinas anticovid em outubro
Vacinas

Índia vai exportar oito milhões de vacinas anticovid em outubro

Rússia pede que EUA seja 'mais ativo' na renovação do acordo nuclear com o Irã
Acordo Nuclear

Rússia pede que EUA seja 'mais ativo' na renovação do acordo nuclear com o Irã