Choque de trem e ônibus mata cinco e fere mais de 50 na Tunísia

Uma das vítimas fatais é uma criança

Governador Paulo Câmara (PSB) defende Carreras no PSBGovernador Paulo Câmara (PSB) defende Carreras no PSB - Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

Pelo menos cinco pessoas morreram, e 52 ficaram feridas, nesta quarta-feira (28), na colisão de um trem e de um ônibus na periferia sul de Túnis, capital da Tunísia.

O acidente aconteceu por volta das 6h locais (3h, horário de Brasília), indicou o Ministério do Interior em um comunicado.

O veículo, da empresa regional de transportes de Nabeul (50 km ao sul de Túnis), foi partido em dois pela violência do choque, ocorrido sobre a via férrea, na altura de Sidi Fathallah, acrescentou o Ministério.

A identidade das cinco vítimas fatais, entre elas uma criança, não foi divulgada. Segundo o Ministério, 52 feridos foram levados para diferentes hospitais.

A Empresa Nacional das Ferrovias Tunisianas (SNCFT) informou que uma investigação foi aberta para esclarecer o caso.

De acordo com "as primeiras observações no terreno, a sinalização e as barreiras de segurança estavam fora de serviço", declarou à Mosaique FM o porta-voz do tribunal de Primeira Instância de Ben Arous, Moez Bouraoui.

"Essa falha está na origem da colisão", acrescentou.

O presidente Béji Caïd Essebsi visitou as vítimas no Hospital de Ben Arous.

"Me disseram que os sinais não estavam funcionando há mais de 15 dias. Isso não é normal. É preciso definir responsabilidades", afirmou.

Mais de mil pessoas morrem todos os anos em acidentes de estrada na Tunísia, um país de 11 milhões de habitantes. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), é o país da África do Norte com o mais alto número de acidentes de estrada, depois da Líbia.

Veja também

Ex-policial Derek Chauvin é considerado culpado de todas as acusações pela morte de George Floyd
George Floyd

Ex-policial Derek Chauvin é considerado culpado de todas as acusações pela morte de George Floyd

Biden considera 'esmagadoras' as evidências do julgamento da morte de George Floyd
EUA

Biden considera 'esmagadoras' as evidências do julgamento da morte de George Floyd