Colombianos rejeitam acordo de paz com Farc

Alta abstenção, com presença de menos de 40% do eleitorado, foi determinante para o resultado

População foi convocada para decidir sobre pacto firmado no último dia 26População foi convocada para decidir sobre pacto firmado no último dia 26 - Foto: Diana Sanchez/afp

 

Contra todos os prognósticos, a Colômbia optou pelo “não”, neste domingo (2), rejeitando o pacto de paz que buscava pôr fim a 52 anos de um sangrento conflito com a guerrilha Farc - de acordo com número oficial divulgado após a apuração de 100% dos votos. Com 50,2%, o “não” liderava a disputa contra o “sim” (49,8%), pouco mais de uma hora depois do término dessa histórica votação. O nível de participação chegou a 37,28%.

Embora pelo menos 6.346.055 pessoas tenham votado no “sim”, superando o mínimo de 4,5 milhões de votos exigidos para se aprovar o acordo, 6.408.350 colombianos disseram “não”. Na sede da campanha pelo “sim”, no emblemático hotel Tequendama, no centro de Bogotá, o clima era de luto.

Cerca de 34,9 milhões de colombianos foram convocados para se pronunciar sobre o pacto firmado em 26 de setembro passado entre as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) e o governo de Juan Manuel Santos.

Momentos depois do anúncio da vitória do “não”, o Exército de Libertação Nacional (ELN) defendeu, em sua conta no Twitter, que “apesar dos resultados” é preciso “continuar lutando pela paz”.

Os colombianos se dizem cansados da guerra, mas muitos resistem a fazer concessões às Farc. A guerrilha marcou a história recente do país com massacres, sequestros, extorsões e desaparecimentos forçados.

Um dos eleitores que votaram no “não” foi o aposentado José Gómez, de 70 anos, o qual alegou que “é um absurdo premiar alguns traficantes de drogas assassinos que fizeram do país um desastre”.

O governo já havia dito não ter um plano B em caso de derrota no plebiscito que perguntava: “Você apoia o acordo final para o término do conflito e a construção de uma paz estável e duradoura?”.

“O ódio venceu, venceu o ódio contra as Farc”, disse o diretor do centro de análise Cerac, Jorge Restrepo. Agora, são as Farc que “vão decidir se continuam com o desarmamento, com a reintegração e com o cessar-fogo bilateral”, disse Restrepo, referindo-se ao processo iniciado sob a supervisão das Nações Unidas, no cumprimento do acordo já selado.

 

Veja também

Após morte de George Floyd, capas de revistas com negros disparam
EUA

Após morte de George Floyd, capas de revistas com negros disparam

Pandemia implode sistema de testes, e Alemanha e França reimpõem bloqueios
Coronavírus

Pandemia implode sistema de testes, e Alemanha e França reimpõem bloqueios