Com maré a favor, Trump foca propaganda em Estados-chave

Trump despejou mais de US$ 3,5 milhões em propagandas em Flórida e Carolina do Norte, além de Ohio e Pensilvânia

Lupércio, Lula Cabral e Anderson Ferreira, ao lado de FBCLupércio, Lula Cabral e Anderson Ferreira, ao lado de FBC - Foto: divulgação

A onda Trump é real. Embora a democrata Hillary Clinton se mantenha à frente, seu adversário candidato republicano à Casa Branca, Donald Trump, avança a passos largos. Na sexta (4), a diferença entre os dois era de apenas 1,6 pontos na média de pesquisas compilada pelo site Real Clear Politics. Há duas semanas, era de 7,1 pontos. A campanha de Trump despejou mais de US$ 3,5 milhões em propagandas em Flórida e Carolina do Norte, além de Ohio e Pensilvânia. Todos são Estados-chave na disputa com Hillary. As inserções na TV começaram nesta sexta-feira (4).

Com mais estrutura, os democratas há meses já investem em anúncios locais. Na quarta, a equipe de Hillary lançou um vídeo de um futuro apocalíptico com o "presidente Trump": mais países com armas nucleares, tanques nas ruas para deportar milhões de imigrantes e bolsas de valores em queda livre. Os números do Real Clear, porém, são nacionais. Nos EUA, o que vale mesmo é quantos votos cada um consegue no Colégio Eleitoral.

Nesse sistema, uma comissão estadual representa eleitores. Exemplo: Estado mais populoso, a Califórnia, onde a vitória de Hillary é dada como garantida, tem 55 dos 538 delegados que formam o Colégio (que não é um lugar físico, mas apenas o nome do processo). É eleito presidente quem tiver ao menos 270 delegados.
Nessa matemática, Trump sempre saía perdendo, até porque democratas são favoritos em Estados com muito peso eleitoral, como Nova York e Califórnia, e mesmo bastiões republicanos, como o Texas, chegaram a se mostrar acirrados.

O mapa ainda favorece Hillary, mas por pouco. Projeções da CNN sempre davam à democrata mais de 270 votos. Agora, ela só garantiria 268 deles, e Trump, 204. Nessa conta estão incluídos Estados cujo favoritismo por ela ou ele são considerados sólidos ou prováveis. Sobram 66 delegados, somados os seis Estados onde a disputa ainda é apertada: Arizona, Flórida, Nevada, New Hampshire, Carolina do Norte e Nebraska. O principal deles é a Flórida, com 29 delegados. Lá, pesquisas põem Hillary apenas um ponto na dianteira.

Nebraska tem três votos e uma peculiaridade: assim como o Maine, ali não impera o sistema "winner takes all" (o vencedor leva tudo) -nos outros 48 Estados americanos, mesmo quem conquista só 50,1% dos votos locais fatura todos os seus delegados. Portanto, mesmo sem levar a maioria, ir bem em Nebraska pode assegurar um voto -e em 2016 isso pode fazer toda a diferença. Nos últimos dias, democratas têm disparado e-mails para incentivar eleitores a votar ir às urnas é opcional, e a votação antecipada mostrou que grupos historicamente favoráveis ao partido, como negros, estão desmobilizados. "Como podemos perder", dizia um e-mail assinado pela primeira-dama, Michelle Obama, e enviado a eleitores.

Veja também

Estudo sugere queda de anticorpos associada à segunda onda de Covid na Inglaterra
Coronavírus

Estudo sugere queda de anticorpos associada à segunda onda de Covid na Inglaterra

Bomba em escola paquistanesa deixa 7 mortos e mais de 80 feridos
internacional

Bomba em escola paquistanesa deixa 7 mortos e mais de 80 feridos