Comboio humanitário entra no reduto rebelde sírio de Ghuta Oriental

Treze caminhões que transportam ajuda estão dentro do bastião rebelde, afirmou Ingy Sedky, porta-voz do CICV em Damasco

Comboio de ajuda humanitária chega à região da Ghuta Oriental, na SíriaComboio de ajuda humanitária chega à região da Ghuta Oriental, na Síria - Foto: Hamza Al-Ajweh / AFP

Um comboio humanitário entrou nesta sexta-feira no reduto rebelde sírio de Ghuta Oriental, perto de Damasco, para distribuir ajuda aos habitantes sitiados pelos bombardeios, anunciou o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV). Treze caminhões que transportam ajuda estão dentro do bastião rebelde, afirmou Ingy Sedky, porta-voz do CICV em Damasco. "Nossas equipes vão entregar a ajuda que não foi distribuída em 5 de março em consequência dos bombardeios na região", disse a porta-voz.

Na quinta-feira, uma tentativa de entregar ajuda fracassou depois que o comboio não conseguiu entrar no reduto rebelde, alvo desde 18 de fevereiro de uma ofensiva do regime que, segundo a ONG Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), deixou 931 mortos.

Leia também:
ONG síria denuncia dezenas de casos asfixia em Ghuta Oriental
39 pessoas morrem em queda de avião russo em base síria


As entregas previstas para esta sexta-feira não incluem material médico. Mas a porta-voz do CICV mencionou "indícios positivos sobre a possibilidade de que um comboio mais importante, que inclui especialmente material médico, possa (entregar) na próxima semana" a ajuda a este último bastião rebelde próximo de Damasco.

Um comboio conjunto da ONU, CICV e Crescente Vermelho sírio entrou na segunda-feira na região cercada, onde entregou 247 toneladas de ajuda médica e alimentos na cidade de Duma, a principal da região.

Mas a missão foi mais curta que o previsto porque a distribuição acontecia durante os bombardeios, segundo a ONU.

Veja também

Sonda chinesa pousa na Lua para coletar amostras do solo
Espaço

Sonda chinesa pousa na Lua para coletar amostras do solo

EUA tem recorde de mortes diárias por Covid-19 desde abril
Coronavírus

EUA tem recorde de mortes diárias por Covid-19 desde abril