Comissão parlamentar polonesa rejeita proibição do aborto no país

A decisão ocorre após os protestos maciços dos últimos dias

Mart'náliaMart'nália - Foto: Marta Az / Divulgação

A comissão do Parlamento da Polônia responsável por analisar o projeto de proibir o aborto no país recomendou nesta quarta-feira (5) rejeitar a iniciativa. A decisão ocorre após os protestos maciços dos últimos dias. A recomendação da comissão parlamentar, entretanto, ainda deve ser submetida à votação no plenário da Câmara, provavelmente nesta quinta-feira.

Leia Mais
Na Polônia, mulheres fazem greve contra projeto de lei que bane o aborto  A decisão da comissão, tomada numa sessão caótica e realizada num tom emocional, ocorreu após um protesto que reuniu milhares de mulheres na segunda, que vestiram preto e boicotaram o trabalho. A manifestação fez lojas, universidade e escolas a fecharem as portas.

O projeto rejeitado buscava proibir totalmente a interrupção voluntária da gravidez. Mulheres que tivessem passado pelo procedimento poderiam ser punidas com cinco anos de prisão. Médicos que tivessem feito assistência também poderiam ir para a cadeia.

A Polônia já tem uma das leis de aborto mais restritivas da Europa e pesquisas de opinião mostram pouco apoio a um diploma ainda mais rigoroso. De maioria católica, a Polônia permite hoje o aborto legal apenas em caso de estupro, incesto, problemas graves com o feto e sério risco à saúde da mulher grávida.

Veja também

Vacina de Oxford gera 'resposta imune forte' em idosos, diz jornal
Covid-19

Vacina de Oxford gera 'resposta imune forte' em idosos, diz jornal

A 9 dias da eleição nos EUA, número de votos antecipados em 2020 ultrapassa os de 2016
EUA

A 9 dias da eleição nos EUA, número de votos antecipados em 2020 ultrapassa os de 2016