A-A+

Comunidade internacional condena testes da Coreia do Norte

EUA, China, Rússia, Japão, Alemanha e França, entre outras nações repudiaram teste com bomba de hidrogênio

Presidente francês, Emmanuel MacronPresidente francês, Emmanuel Macron - Foto: Andres Valle/Presidencia de la República del

A comunidade internacional, começando pelo presidente Donald Trump, que denunciou ações "muito hostis e perigosas para os Estados Unidos", condenou neste domingo o novo teste nuclear da Coreia do Norte.

"As palavras e as ações [da Coreia do Norte] continuam a ser muito hostis e perigosas para os Estados Unidos", escreveu Trump no Twitter.

Em janeiro, o presidente americano advertiu que não permitiria que o regime comunista de Pyongyang usasse mísseis balísticos intercontinentais (ICBM) e, no mês passado, prometeu responder com "fogo e fúria".

Neste domingo, Trump assegurou ainda que "a Coreia do Sul está descobrindo, como eu disse, que sua tentativa de apaziguar a Coreia do Norte não funcionará, eles só entendem uma coisa!".

A China, o principal apoio econômico da Coreia do Norte, também "condenou fortemente" o teste, e convidou Pyongyang a "cessar suas ações que agravam a situação e não atendem aos seus próprios interesses".

Assim como a China, países como a Rússia, Japão, Alemanha e França não tardaram em condenar a nova violação das numerosas resoluções da ONU, que exige o fim dos programas nuclear e balístico norte-coreanos.

Antes que os detalhes do teste fossem revelados, o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, afirmou que um novo teste nuclear era "absolutamente inaceitável".

O presidente sul-coreano, Moon Jae-In, pediu "o castigo mais forte" contra Pyongyang, com novas sanções da ONU, visando "isolar completamente a Coreia do Norte".

O presidente francês, Emmanuel Macron, também pediu à comunidade internacional que "reaja com a maior firmeza" e afirmou que o teste nuclear "viola a paz e a segurança".

Macron e a chanceler alemã, Angela Merkel, são favoráveis ​​ao "fortalecimento" das sanções da União Europeia (UE) contra Pyongyang que, segundo o governo alemão, entrou em uma "nova dimensão" nas suas provocações.

"Manter a calma"
Embora a Rússia tenha condenado o teste nuclear pelo "desprezo" da Coreia do Norte pelas resoluções da ONU, também pediu calma.

"É muito importante manter a calma e abster-se de qualquer ação, o que levaria a uma nova escalada", afirmou o ministro russo das Relações Exteriores, Serguei Lavrov.

No início de agosto, o Conselho de Segurança das Nações Unidas adotou um novo pacote de sanções internacionais para privar a Coreia do Norte de seus ingressos com exportações de chumbo, ferro, outros minerais e produtos de sua atividade pesqueira.

A China, país destinatário de 90% das exportações norte-coreanas, aprovou essas sanções, mas pediu a manutenção dos canais diplomáticos.

Neste domingo, a China reiterou que continuará a trabalhar com a comunidade internacional "para promover incansavelmente o objetivo de desnuclearizar a península coreana e preservar a estabilidade regional".

Na Europa, a chefe da diplomacia da União Europeia, Federica Mogherini, denunciou "uma provocação séria" e "inaceitável".

Já o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, expressou sua preocupação com "o caráter desestabilizador da atitude de Pyongyang, que ameaça a segurança regional e internacional".

Veja também

Índia vai exportar oito milhões de vacinas anticovid em outubro
Vacinas

Índia vai exportar oito milhões de vacinas anticovid em outubro

Rússia pede que EUA seja 'mais ativo' na renovação do acordo nuclear com o Irã
Acordo Nuclear

Rússia pede que EUA seja 'mais ativo' na renovação do acordo nuclear com o Irã