Mundo

Congresso dos EUA vai investigar Facebook, Google, Microsoft e Apple

Objetivo é avaliar se empresas promoem práticas anticompetitivas

Capitólio dos EUACapitólio dos EUA - Foto: Alex Wong / Getty Images North America / AFP

O Congresso dos Estados Unidos abriu uma investigação sobre problemas de concorrência no mercado digital. O objetivo é avaliar o papel de grandes empresas do setor e se elas possuem alto poder de mercado ou se promovem práticas anticompetitivas.

Gigantes como Amazon, Apple, Google, Facebook e Microsoft ocupam o topo da lista das companhias com maior valor de mercado do mundo, como o ranking da revista Forbes. Elas possuem grande participação de mercado em seus segmentos.

Exemplos são o Facebook, que controle as três principais redes sociais do mundo (a de mesmo nome, o Whatsapp e o Instagram), e o Google, proprietário do principal mecanismo de busca do planeta (de mesmo nome), do maior sistema operacional, Android, e da maior plataforma de vídeo online, o YouTube.

Leia também:
Audiência que decidirá extradição de Assange aos EUA será em fevereiro de 2020
Trump diz que há boa chance de EUA chegarem a acordo com México 

A apuração será realizada por uma comissão bipartidária do Comitê Judiciário (Judiciary Comitee) da Câmara de Representantes (House of Representatives), o equivalente à Câmara dos Deputados no Brasil. O grupo irá realizar uma série de audiências públicas para ouvir executivos das companhias de tecnologia, pesquisadores e representantes de consumidores.

A investigação irá focar em três áreas. Vai documentar problemas de concorrência em mercados digitais, examinar se os conglomerados dominantes estão atuando para dificultar a competição nesses setores e se as leis antitruste e políticas concorrenciais atuais são suficientes para lidar com este fenômeno.

“A Internet aberta trouxe diversos benefícios para os estadunidenses, incluindo um surto de oportunidades econômicas, investimento massivo e novos caminhos para a educação online. Mas há evidências crescentes de que empresas assumiram controle sobre áreas como comércio eletrônico, conteúdos e comunicações”, afirmou o diretor da comissão, o deputado democrata do estado de Nova York Jerrold Nadler, em comunicado no site oficial do comitê.

A investigação pode ter impactos no Brasil. Isso porque essas empresas têm forte atuação no país. Um exemplo é o Facebook, com mais de 130 milhões de usuários no Brasil. O Youtube é utilizado por cerca de 100 milhões de brasileiros. Eventuais medidas antitruste podem ter efeito, portanto, nos serviços oferecidos também aos usuários daqui.

Veja também

Petróleo continua caindo apesar de retomada da demanda nos EUA
Petróleo

Petróleo continua caindo apesar de retomada da demanda nos EUA

Conservadores britânicos sofrem revés nas eleições locais
Londres

Conservadores britânicos sofrem revés nas eleições locais

Newsletter