Conselho da ONU faz reunião de emergência para discutir sobre Coreia do Norte

Na quarta-feira (13), o governo norte-coreano prometeu atacar o Japão e a Coreia do Sul

Em resposta ao lançamento do míssil, a vizinha e inimiga Coreia do Sul repetiu testes com mísseis no marEm resposta ao lançamento do míssil, a vizinha e inimiga Coreia do Sul repetiu testes com mísseis no mar - Foto: Reprodução/Internet

O Conselho de Segurança das Nações Unidas (ONU) vai se reunir nesta sexta-feira (15) pela quarta vez, em caráter de emergência, em menos de 20 dias. O encontro dos 15 países membros foi convocado por Estados Unidos e Japão, após o lançamento, na última sexta-feira, de novo míssil no mar do Pacífico japonês, pela Coreia do Norte.

A reunião, a portas fechadas, segundo a secretaria do conselho, ocorre também no contexto da Assembleia Geral das Nações Unidas, que na próxima terça-feira (19) reúne líderes dos países membros para o tradicional debate geral.

Na quarta-feira (13), o governo norte-coreano prometeu atacar o Japão e a Coreia do Sul, ambos aliados dos Estados Unidos, em reação a sanções aprovadas pelo Conselho de Segurança na última segunda-feira (11).

Leia também:
Coreia do Norte dispara novo míssil que sobrevoou o Japão
Embaixador norte-coreano na ONU alega "direito à autodefesa" após disparo de míssil
China afirma que apoiará novas medidas da ONU contra a Coreia do Norte


O presidente Donald Trump ainda não falou o último lançamento de míssil, mas o país tem defendido sanções mais severas e confronto militar caso a Coreia do Norte ataque territórios norte-americanos ou de países aliados.

Em resposta ao lançamento do míssil, a vizinha e inimiga Coreia do Sul repetiu testes com mísseis no mar. Sanções severas vem sendo defendidas pelos três países, Estados Unidos, Japão e Coreia do Norte. A Alemanha manifestou que a resposta deve ser dura, para que a Coreia do Norte desista de seu programa de armamento nuclear.

A Rússia afirmou que as provocações da Coreia do Norte devem ser levadas a sério, mas, em alguns momentos, têm adotado tom mais duro e alinhado ao dos Estados Unidos. Outros países têm defendido a saída diplomática e negociada, que é a posição da China desde o início da escalada de tensões.

Veja também

Maior ataque suicida em Bagdá em três anos mata ao menos 32 pessoas
Terrorismo

Maior ataque suicida em Bagdá em três anos mata ao menos 32 pessoas

Biden assume comando da luta contra Covid-19 e decreta quarentena para viajantes
EUA

Biden assume comando da luta contra Covid-19 e decreta quarentena para viajantes