Conselho de Segurança da ONU endurece sanções contra a Coreia do Norte

Resolução, promovida pelos EUA depois de três meses de negociações espinhosas com a China, foi aprovada por todos os membros

No Congresso Nacional, Bolsonaro integra celebração dos 30 anos da Constituição de 1988 No Congresso Nacional, Bolsonaro integra celebração dos 30 anos da Constituição de 1988  - Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

O Conselho de Segurança da ONU aprovou por unanimidade nesta quarta-feira (30) o endurecimento das sanções contra a Coreia do Norte, cujas exportações de carvão para a China serão limitadas depois que o país realizou novos testes nucleares.

A resolução, promovida pelos Estados Unidos depois de três meses de negociações espinhosas com a China, foi aprovada por todos os 15 membros do Conselho de Segurança.

As sanções, entre outras medidas, tentam bloquear as exportações de carvão da Coreia do Norte, a principal fonte de renda de Pyongyang, em mais de 60% do seu volume, segundo as autoridades americanas.

A resolução deve reduzir a renda do país em cerca de US$ 700 milhões, limitando assim os recursos que poderiam ser alocados para o desenvolvimento de armas balísticas e nucleares.

Pequim é o maior aliado de Pyongyang e um dos poucos mercados de seu carvão.

A China, tradicionalmente, protege diplomaticamente a Coreia do Norte, apoiada na ideia de que o regime de Kim Jong-un é preferível ao seu colapso, mas tem mostrado crescente frustração com os testes de seu vizinho.

Pyongyang realizou em 9 de setembro o seu quinto teste nuclear, que foi condenado "nos termos mais fortes" pela resolução do Conselho de Segurança.

Após o teste, o país alegou ter feito grandes progressos nos seus esforços para colocar uma ogiva nuclear em um foguete em miniatura, que poderia chegar aos Estados Unidos.

Veja também

Trump diz que manterá política migratória em relação ao México
EUA

Trump diz que manterá política migratória em relação ao México

Áreas rurais latino-americanas sofrem grave atraso na conectivadade à internet
Estudo

Áreas rurais latino-americanas sofrem grave atraso na conectivadade à internet