Cópia da insulina é opção mais barata para controle de diabetes

Diferentemente da insulina humana tradicional (NPH), ela não causa picos quando sua dose atinge o ponto máximo na redução de glicemia no sangue

InsulinaInsulina - Foto: Pixabay

A insulina biossimilar Basaglar começou a ser vendida no Brasil em novembro de 2017 com preço que chega a ser até 70% menor do que o valor do medicamento original, a insulina glargina. A glargina é um tipo de insulina de efeito prolongado. Diferentemente da insulina humana tradicional (NPH), ela não causa picos quando sua dose atinge o ponto máximo na redução de glicemia no sangue.

Mais cara e mais moderna, ela é indicada a pacientes com diabetes tipo 1 que que sofrem com hipoglicemia com o uso da insulina tradicional. O preço de uma ampola da glargina chega a custar R$ 260 em farmácias. Em alguns Estados, pacientes conseguem obtê-la com facilidade. Em outros, muitos recorrem à justiça em busca do medicamento.

Leia também:
OMS alerta sobre resistência generalizada a antibióticos
SUS vai distribuir insulina mais moderna a crianças e adolescentes com diabetes


De acordo com Melanie Rodacki, consultora da Sociedade Brasileira de Diabetes, com a crise financeira nos Estados, mesmo pacientes com liminares judiciais têm tido dificuldade em conseguir o medicamento na rede pública. "Tenho pacientes com crises de hipoglicemia graves sem o medicamento que não estão conseguindo ir trabalhar porque desmaiam", diz.

A expectativa, segundo ela, é que o biossimilar, mais acessível, melhore o controle da diabetes nesses pacientes -seja na rede pública ou privada. "Já percebemos que as farmácias começaram até a reduzir o preço da glargina tradicional", diz.

Medicamento biossimilar
A insulina, medicamento biológico, é obtida em células de organismos vivos. O biossimilar é uma cópia e apresenta semelhança no mecanismo de ação dentro do corpo comprovada em testes de laboratório. A segurança para o uso também é equivalente ao biológico de referência.

Comparado a um remédio sintético, o processo para obter a molécula mais adequada para o tratamento torna o remédio biológico mais custoso por envolver várias etapas e precisar de uma segurança maior contra contaminações.

Muitas moléculas são descartadas até que se chegue à ideal, explica Rosângela Rea, endocrinologista e professora da UFPR (Universidade Federal do Paraná). O biossimilar custa menos porque já parte de uma molécula eficaz pronta. A maior preocupação com relação aos biossimilares, segundo Rosângela, está na condução dos testes para comprovar a semelhança e a segurança do medicamento, que garantem seu bom funcionamento.

Desenvolvida por meio da parceria firmada entre as empresas Eli Lilly e Boehringer Ingelheim, a Basaglar foi a primeira insulina biossimilar aprovada pela Anvisa para venda no país.

Para a endocrinologista, o surgimento dos biossimilares facilita o acesso ao tratamento por terem preço menor do que o dos biológicos -um movimento parecido com o da chegada dos remédios genéricos. A incorporação desses remédios, no entanto, depende ainda da difusão das informações sobre o produto para médicos e pacientes. "É um alívio para o paciente ter uma outra opção de tratamento, mas o médico precisa estar familiarizado com o mecanismo de ação do medicamento antes de fazer as prescrições", afirma Rosângela.

Veja também

Peru vai isentar viajantes de quarentena ao reabrir fronteiras

Peru vai isentar viajantes de quarentena ao reabrir fronteiras

Bolsa encosta em 100 mil pontos e fecha no maior nível em quatro meses
BOLSA DE VALORES

Bolsa fecha no maior nível em quatro meses