Coreia do Norte destruiu 'quatro locais de testes' balísticos, diz Trump

"Nossa relação é muita boa. Deixaram de disparar mísseis, incluindo os mísseis balísticos", declarou Trump durante uma reunião de seu gabinete

Donald Trump, presidente dos EUADonald Trump, presidente dos EUA - Foto: Saul Loeb/Divulgação

A Coreia do Norte destruiu "quatro locais de teste" balísticos, o que confirma a melhora de suas relações com os Estados Unidos depois do histórico encontro entre Donald Trump e Kim Jong Un, anunciou nesta quinta-feira (21) o presidente americano.

"Nossa relação é muita boa. Deixaram de disparar mísseis, incluindo os mísseis balísticos", declarou Trump durante uma reunião de seu gabinete.

"Destruíram um de seus grandes locais de testes. Na verdade, quatro locais de testes" foram destruídos, acrescentou. "Será uma desnuclearização total, ela já começou", concluiu o presidente.

Depois do encontro histórico entre os dirigentes no dia 12 de junho em Singapura, Kim Jong Un se comprometeu com a "desnuclearização completa da península coreana".

Leia também:
Donald Trump cria força armada do espaço sideral
EUA se mantêm 'atentos' sobre tema nuclear na Coreia do Norte


Os Estados Unidos anunciaram então que suas principais manobras militares conjuntas com a Coreia do Sul seriam "suspensas indefinidamente". A medida foi saudada pela Coreia do Norte, que pedia há algum tempo o fim dos exercícios militares que considerava como a repetição da invasão de seu território.

Em abril de 2018, Pyongyang proclamou o fim de seus testes nucleares e o fechamento do local onde eram testadas as bombas atômicas, que já "cumpriu sua missão", segundo Kim.

No começo da semana, um funcionário de Estados Unidos disse à AFP que a entrega de um primeiro grupo de soldados americanos mortos durante a guerra da Coreia "poderá ocorrer nos próximos dias", como ficou definido no acordo alcançado entre Washington e Pyongyang.

Veja também

Charles não quer deixar filho de Harry se tornar príncipe, diz jornal
Família Real

Charles não quer deixar filho de Harry se tornar príncipe, diz jornal

EUA congelam negociações na área ambiental, e Brasil teme retaliação econômica
Mundo

EUA congelam negociações na área ambiental