A-A+

Coreia do Norte nunca entregará armas nucleares, diz diplomata

Coreia do Norte e EUA viram a tensão entre os dois países aumentar após o progresso rápido do país asiático no desenvolvimento de armas nucleares

Coréia do NorteCoréia do Norte - Foto: AFP/KCNA VIA KNS

A capacidade nuclear de autodefesa da Coreia do Norte nunca estará na mesa de negociações, disse um enviado de Pyongyang nesta terça-feira (22).

O diplomata norte-coreano Ju Yong Chol se pronunciou durante a Conferência sobre Desarmamento promovida pela Organização das Nações Unida (ONU) depois que o embaixador dos Estados Unidos, Robert Wood, disse que a "prioridade máxima" do presidente Donald Trump é proteger seu país e aliados contra a "crescente ameaça" da Coreia do Norte.

Leia também:
Trump ameaça novamente a Coreia do Norte com ação militar
Coreia do Norte diz que tem quatro mísseis para atacar bases dos EUA em Guam

"As medidas tomadas pela Coreia do Norte para fortalecer sua capacidade nuclear e desenvolver foguetes intercontinentais são justificáveis e uma opção legítima para autodefesa em face das ameaças tão aparentes e reais" disse Ju ao fórum em Genebra, fazendo referência a "constantes ameaças nucleares" por parte dos Estados Unidos.

Coreia do Norte e EUA viram a tensão entre os dois países aumentar após o progresso rápido do país asiático no desenvolvimento de armas nucleares e mísseis capazes de atingir o território continental norte-americano.

Em julho, a Coreia do Norte realizou testes de mísseis intercontinentais, que repercutiram em todo o mundo. Dias depois, Trump afirmou que o país vai responder com "fogo e fúria" caso Pyongyang faça novas ameaças.

Apesar das declarações, Pyongyang não se intimidou e detalhou plano para atacar a ilha de Guam, no Pacífico. O projeto foi posteriormente suspendido pelo ditador Kim Jong-Un, que advertiu que a sua execução dependeria do comportamento de Washington.

"Enquanto a política hostil e a ameaça nuclear dos EUA continuarem sem contestação, a Coreia do Norte nunca colocará sua capacidade nuclear de autodefesa na mesa de negociações", afirmou o diplomata Ju.

Nesta segunda (21), EUA e Coreia do Sul iniciaram exercícios militares conjuntos. Segundo o o presidente sul-coreano, Moon Jae-in, as atividades são defensivas e não almejam elevar a tensão na península coreana. Para Pyongyang, entretanto, as manobras são provocações e um teste para invasão de seu território.

Veja também

Biden tenta reviver o 'Quad', aliança com Índia, Japão e Austrália
Mundo

Biden tenta reviver o 'Quad', aliança com Índia, Japão e Austrália

Pesquisa revela que só 17% das pessoas conhecem o principal fator de risco do câncer colorretal
Saúde

Pesquisa revela que só 17% das pessoas conhecem o principal fator de risco do câncer colorretal