Mundo

Corpo encontrado perto de carro incendiado em Minneapolis

O cadáver, ainda não identificado, apresenta sinais evidentes de traumatismos

Policiais tentam controlar protesto pelo assassinato de George Floyd, em Minneápolis Policiais tentam controlar protesto pelo assassinato de George Floyd, em Minneápolis  - Foto: ALEX WONG / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / Gett

O corpo de um homem foi encontrado na madrugada de domingo perto de um veículo incendiado em Minneapolis, informou a polícia da cidade do norte dos Estados Unidos, abalada por uma explosão de violência após a morte de um homem negro pela polícia.

O cadáver, ainda não identificado, apresenta sinais evidentes de traumatismos, afirmou John Elder, porta-voz da polícia, antes de indicar que a unidade de homicídios da cidade investiga o caso.

Ainda não foi determinado se o óbito está vinculado aos protestos na cidade desde a morte, na segunda-feira, de George Floyd, um afro-americano que estava desarmado quando foi preso por um policial que manteve o joelho sobre seu pescoço por vários minutos.

Leia também:
Twitter marca mensagem de Trump sobre protestos de Minneapolis por "glorificar a violência"

Elder disse que o corpo foi encontrado perto de um local ao qual os bombeiros foram chamados em resposta a uma denúncia por um veículo incendiado durante a madrugada.

A polícia encontrou o cadáver perto do local, depois que os bombeiros apagaram as chamas.

A indignação com o caso Floyd provocou muitos protestos, muitos violentos, em várias cidades dos Estados Unidos.

Em Minneapolis o governo decretou toque de recolher e milhares de oficiais da Guarda Nacional de Minnesota foram mobilizados, em resposta ao caos generalizado, que incluiu o incêndio intencional de edifícios e saques.

Veja também

Biden pede que americanos enfrentem 'lobby das armas'
Estados Unidos

Biden pede que americanos enfrentem 'lobby das armas'

China enfrenta novas denúncias de abusos, durante visita de comissária da ONU
Repressão a uigures

China enfrenta novas denúncias de abusos, durante visita de comissária da ONU