Cratera Chicxulub dá pistas surpreendentes sobre última Era do Gelo

A cratera tem 200 km de diâmetro e se encontra no Golfo do México

Armando Monteiro vai criar Comando CidadãoArmando Monteiro vai criar Comando Cidadão - Foto: Rafael Furtado/Folha de Pernambuco

Cientistas da Missão 364, a primeira da história a explorar uma cratera submarina produzida pelo impacto de um asteroide, encontraram - por acaso, sem que estivessem procurando - evidências de que o nível do mar era mais baixo do que o atual na última Era do Gelo.

O gigantesco estudo da cratera Chicxulub, que tem 200 km de diâmetro e se encontra no Golfo do México, busca decifrar o mistério da extinção em massa - inclusive dos dinossauros - provocada por um asteroide há 66 milhões de anos, além de descobrir como a vida ressurgiu e, inclusive, encontrar pistas sobre as possibilidades de vida em outros planetas.

Mas os primeiros resultados trouxeram surpresas, afirmou nesta quarta-feira Jaime Urrutia, presidente da Academia Mexicana de Ciências e chefe da missão, durante coletiva de imprensa no Instituto de Geofísica da Universidade Autônoma do México.

Sem que estivessem procurando por isto, os cientistas conseguiram confirmar que o nível do mar era muito mais distante da linha costeira atual na última glaciação.

Durante as perfurações submarinas na cratera, a 33 km da costa, "descobriram-se estruturas no piso em forma de círculos (...) A única forma com que se constroem é por dissolução de carbonato, e para que o carbonato se dissolva tem que estar exposto ao ar", explicou Urrutia.

Assim, destacou sorridente, "a península (de Yucatán) era literalmente maior" entre 23.000 e 18.000 anos atrás.

Isto leva os cientistas a acreditar que no momento do impacto, a cratera estava completamente na área continental e não como agora, com metade sob o Golfo do México e a outra sobre a península de Yucatán.

No começo de abril, geólogos, paleontólogos e microbiologistas de várias partes do mundo instalaram seus laboratórios durante dois meses na imponente plataforma Myrtle, para estudar a marca deixada pelo asteroide no período Cretáceo.

Usando máquinas pesadas, eles perfuraram um estreito túnel de 1,5 km de profundidade sob o assoalho marinho e extraíram mais de seis toneladas de rocha para análise.

Apesar dos resultados obtidos até agora - publicados na revista Science -, ainda não foi possível elucidar os processos que formaram o "anel de picos" - uma cordilheira circular com raio de 30 km - que se encontra perto da cratera.

Mas suas análises continuam em laboratórios especializados em Bremen, na Alemanha.

Veja também

Trump ataca revolução cultural "de esquerda" no Monte Rushmore
Estados Unidos

Trump ataca revolução cultural "de esquerda" no Monte Rushmore

Indonésia enfrenta possível explosão da natalidade após a pandemia
Notícias

Indonésia enfrenta possível explosão da natalidade após a pandemia