Cristina Kirchner irá a julgamento por corrupção

Ex-presidente será julgada por concessão de contratos públicos na Patagônia, seu reduto político

Cristina KirchnerCristina Kirchner - Foto: Reprodução/Internet

Um juiz argentino disse nesta sexta-feira (2) que a ex-presidente Cristina Kirchner deve ir a julgamento devido à suposta corrupção relacionada à concessão de contratos públicos na Patagônia, seu reduto político.

O juiz federal Julian Ercolini também determinou os julgamentos do ex-ministro de Planejamento Federal, Investimento Público e Serviços Julio de Vido e do magnata Lazaro Baez - figuras próximas a Cristina Kirchner e seu marido, o falecido ex-presidente Nestor Kirchner. Nestor e Cristina Kirchner presidiram a Argentina entre 2003 e 2015.

Leia também:
Justiça ordena prisão de ex-presidente argentina Cristina Kirchner
Kirchner diz que pedido de prisão é excesso que viola o Estado de direito

Cristina Kirchner, De Vido e Baez são suspeitos de "associação ilícita", "irregularidades na concessão de contratos públicos na província de Santa Cruz" e de terem se beneficiado de contratos outorgados à empresa de construção Austral, de Baez, no valor de US$ 2,4 bilhões, de acordo com o Centro de Informação Judicial (CIJ).

A data do julgamento de Kirchner ainda não foi definida. De acordo com a lei argentina, Kirchner - hoje senadora - pode ser julgada e condenada, mas a imunidade parlamentar a protege da prisão. Baez e De Vido, entretanto, foram postos em prisão preventiva.

Alegando inocência, Kirchner expressou há alguns meses seu desejo de comparecer perante um juiz para fornecer "esclarecimentos definitivos e públicos".

Atual senadora pelo partido Unidade Cidadã (peronista de centro-esquerda), Cristina Kirchner tem outros julgamentos a enfrentar, um deles pelo sistema cambial supostamente irregular do Banco Central durante seu governo e outro por suposto acobertamento a iranianos acusados de autoria do atentado contra o centro judaico-argentino AMIA, em 1994.

Veja também

Brasileira está entre as vítimas de atentado na França, informa Itamaraty
internacional

Brasileira está entre as vítimas de atentado na França

Glenn Greenwald acusa Intercept de censura e anuncia saída do site
censura

Glenn Greenwald acusa Intercept de censura e anuncia saída do site