A-A+

Cuba denuncia "operação" mundial contra Venezuela e repudia sanções

Segundo o governo cubano, está em andamento uma "bem arquitetada operação internacional", dirigida pelos EUA

Venezuelanos votam em plebiscito convocado pela oposição contra reformas na Constituição propostas pelo presidente Nicolás MaduroVenezuelanos votam em plebiscito convocado pela oposição contra reformas na Constituição propostas pelo presidente Nicolás Maduro - Foto: EPA/Miguel Gutiérrez/EFE

O governo de Cuba denunciou uma "operação internacional" contra a Venezuela, repudiou as sanções "insólitas" e "arbitrárias" impostas pelos Estados Unidos ao presidente Nicolás Maduro e reiterou sua "inquebrantável" solidariedade com o povo e o Executivo do país sul-americano.

Leia também:
Políticos da oposição voltam a ser detidos na Venezuela
Rússia critica comunidade internacional por pressão sobre a Venezuela
UE afirma que Constituinte não pode ser parte da solução na Venezuela

Em uma declaração emitida nesta terça-feira (1º), o Ministério de Relações Exteriores de Cuba acusa o governo dos EUA de impor ao presidente venezuelano sanções "insólitas, que violam o Direito Internacional e arbitrárias".

Segundo o governo cubano, está em andamento uma "bem arquitetada operação internacional", dirigida pelos EUA e com apoio do secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, com o objetivo de "silenciar a voz do povo venezuelano, não reconhecer sua vontade" e "forçá-lo a se render através de ataques e sanções econômicas".

"Conhecemos bem todas essas práticas intervencionistas. Eles acreditam que assim conseguirão fazer com que o povo se submeta a uma oposição marionete, que eles mesmos financiaram e que agora promete fazer o país explodir", acrescentou o governo cubano na declaração.

Além disso, Havana opinou que "os que pretendem derrubar a Revolução Bolivariana e Chavista por vias inconstitucionais, violentas e golpistas assumirão uma séria responsabilidade perante a história".

Direitos soberanos


O ministério cubano afirmou que, nas eleições para a Assembleia Nacional Constituinte deste domingo, o povo venezuelano demonstrou que "é dono pleno de seus direitos soberanos e que milita decisivamente ao lado da paz, em defesa da segurança popular, da independência e da livre determinação de sua Pátria".

Além disso, Havana assinalou que a Venezuela "compareceu às urnas como nunca antes em um processo constituinte" e que "a estratégia do imperialismo e das oligarquias, e de uma oposição que não titubeou para desatar as expressões mais brutais de crueldade, foi derrotada".

O governo venezuelano comemorou nesta segunda-feira o triunfo obtido na eleição dos integrantes da Assembleia Nacional Constituinte e, segundo o Conselho Nacional Eleitoral, mais de 8 milhões de votantes compareceram às urnas.

A Venezuela é na atualidade o principal aliado político e econômico de Cuba, que recebe petróleo venezuelano a preços subsidiados em troca do envio de profissionais cubanos - principalmente médicos e professores - ao país sul-americano.

Veja também

Índia vai exportar oito milhões de vacinas anticovid em outubro
Vacinas

Índia vai exportar oito milhões de vacinas anticovid em outubro

Rússia pede que EUA seja 'mais ativo' na renovação do acordo nuclear com o Irã
Acordo Nuclear

Rússia pede que EUA seja 'mais ativo' na renovação do acordo nuclear com o Irã