Decisão de Trump ameaça contratos de US$ 20 bi da Boeing com o Irã

O impacto decisão de Trump pode significar para a fabricante americana Boeing a perda de contratos no valor de US$ 20 bilhões

Presidente dos Estados Unidos, Donald TrumpPresidente dos Estados Unidos, Donald Trump - Foto: Mandel Ngan / AFP

A saída dos EUA do acordo nuclear do Irã, anunciada nesta terça-feira (8) pelo presidente Donald Trump, não afetará apenas a geopolítica do Oriente Médio. Com o restabelecimento das sanções contra a economia iraniana, empresas americanas ficam proibidas de fazer negócios com o Irã em determinados setores -entre os quais, a aviação.

O impacto disso pode significar para a fabricante americana Boeing a perda de contratos no valor de US$ 20 bilhões (R$ 71,6 bilhões) com a Iran Air, principal companhia aérea iraniana. "Após o anúncio de hoje, vamos consultar o governo dos EUA sobre os próximos passos", afirmou em nota a Boeing, que disse continuar seguindo as diretrizes de Washington em relação às vendas para empresas iranianas.

Em dezembro de 2016, a Boeing anunciou um pedido de 80 aviões da Iran Air, incluindo 50 737 MAX 8, 15 777-300ER e 15 777-9, novo modelo que deve entrar em operação em 2019. À época, a Boeing afirmou que esse pedido ajudaria a manter 100 mil empregos nos EUA. Além da Iran Air, a Boeing também tem um contrato com a Aseman Airlines, terceira maior aérea do Irã, que havia encomendado 30 aviões 737 MAX.

Leia também
Após fala de Trump, Israel dispara mísseis contra a Síria
Trump anuncia saída dos EUA do acordo nuclear do Irã
Donald Trump anuncia nesta terça-feira decisão sobre acordo nuclear com o Irã


Os 80 pedidos iranianos do 737 MAX, por exemplo, representam pouco dentro do universo de 4.474 encomendas do modelo, o mais vendido da Boeing. O CEO da Boeing, Dennis Muilenburg, já havia dito em abril que a escala de produção do 777 "não depende dos pedidos iranianos".

A Airbus também tem contratos com a Iran Air, que encomendou 100 jatos da fabricante europeia por estimados US$ 27 bilhões (R$ 96 bilhões). A Iran Air conta com essas encomendas para modernizar sua frota envelhecida, que tem uma idade média de 22,2 anos. Entre os modelos estão Airbus A300 com 30 anos de uso e Fokkers 70/100 com 25 anos de idade. O único Boeing 747 ainda ativo da companhia está em serviço há 29 anos.

Veja também

Canadá reporta novo caso de coágulos sanguíneos após vacinação com AstraZeneca
Coronavírus

Canadá reporta novo caso de coágulos sanguíneos após vacinação com AstraZeneca

França: quarentena obrigatória para viajantes do Brasil
América Latina

França: quarentena obrigatória para viajantes do Brasil