Decreto anti-imigração pode impactar inteligência e empregos nos EUA

Texto estabelecendo a proibição coloca em risco os soldados e os agentes de inteligência americanos em alguns dos países vetados

Fila de imigrantesFila de imigrantes - Foto: François Lo Presti/AFP

Ameaça à segurança nacional. O argumento adotado pelo governo para barrar temporariamente cidadãos de sete países de maioria muçulmana e refugiados já está sendo usado também por quem é contra a medida.

Segundo os críticos do decreto presidencial, o texto estabelecendo a proibição coloca em risco os soldados e os agentes de inteligência americanos em alguns destes países, além de prejudicar o processo de coleta de informações valiosas para o governo com a suspensão do processo de vistos.

O procedimento de entrevistas para vistos é, por exemplo, uma importante ferramenta de inteligência para obter informações de países como o Irã, onde os EUA não têm presença diplomática, ou na Líbia, onde a ação dos agentes em campo é bastante arriscada.

Há ainda a possibilidade de que os países afetados pela medida (Síria, Libia, Irã, Iraque, Iêmen, Somália e Sudão) respondam aos EUA na mesma moeda, o que pode afetar o trabalho de agentes de inteligência americanos que operam na maior parte deles.

O impacto, contudo, pode ir além dos sete países-alvo. Em documento apresentado à Corte de Apelação que decidirá o futuro do decreto, o ex-diretor da CIA Leon Panetta, o ex-secretário de Estado John Kerry (governo Obama) e outros oito ex-altos funcionários de defesa e inteligência das últimas três administrações argumentam que a ordem de Trump "alimenta a narrativa" do Estado Islâmico "de que os EUA estão em guerra contra o Islã".

"[O decreto] vai atrapalhar as relações com as comunidades que nossos profissionais de segurança precisam para conter a ameaça", diz o texto.
Steven Hall, um ex-alto funcionário da CIA (inteligência americana) concorda que a rede de cooperação com a inteligência americana pode ser afetada. "Todos os caras que se sentam à mesa [com os agentes] são muçulmanos -eles são muçulmanos e mesmo assim querem trabalhar conosco", disse Hall ao portal Politico.

Empregos

Além do impacto sobre a inteligência, há quem aponte o argumento econômico contra o decreto de Trump. Um dos riscos, por exemplo, é que grandes acordos comerciais, como a venda de 80 aviões da Boeing para o Irã, estimado em US$ 20 bilhões (R$ 62 bilhões), sejam cancelados por conta da medida.

Neste caso, ainda estariam sob alguma ameaça 100 mil empregos nos EUA, que a própria Boeing estima estarem ligados a esse acordo especificamente. Esse é outro ponto especialmente complicado para Trump, que fez da geração de empregos no país sua principal bandeira.

Veja também

Rainha Elizabeth compartilha foto dela com príncipe Philip nas redes sociais
Família Real

Rainha Elizabeth compartilha foto dela com príncipe Philip nas redes sociais

Raúl Castro anuncia aposentadoria e deixa comando do Partido Comunista de Cuba
Mundo

Raúl Castro anuncia aposentadoria e deixa comando do Partido Comunista de Cuba