Democratas pedem que nomeação de genro de Trump seja barrada

Adversários afirmam que a indicação de um parente para o governo viola as regras antinepotismo dos EUA, que datam de lei de 1967

O novo primeiro vice-presidente vai ocupar vaga até dezembro de 2020, quando se encerra o segundo biênio da 17ª LegislaturaO novo primeiro vice-presidente vai ocupar vaga até dezembro de 2020, quando se encerra o segundo biênio da 17ª Legislatura - Foto: Carlos Lima

Horas após o anúncio da indicação de Jared Kushner, genro do presidente eleito, Donald Trump, para um cargo na Casa Branca, congressistas democratas pediram ao Departamento de Justiça e ao Gabinete de Ética Governamental que a nomeação seja barrada.

Os adversários de Trump afirmam que a indicação de um parente para o governo viola as regras antinepotismo dos Estados Unidos, que datam de lei de 1967.

"Há argumentos fortes que sustentam que a Casa Branca é uma 'agência' nos termos do estatuto antinepotismo e que se aplicam para barrar a nomeação de Kushner para a equipe da Casa Branca", disse na segunda-feira (9), em comunicado, um grupo de democratas membros da Comissão de Justiça da Câmara dos Deputados.

A equipe do republicano afirma que a nomeação é legal, tomando como base uma decisão judicial de 1993 segundo a qual o presidente tem autoridade para indicar membros de sua equipe da Casa Branca "sem restrições de outras leis".

Sob a administração republicana, Kushner deve exercer o cargo de conselheiro sênior da Presidência. Ao comentar a indicação, na segunda-feira, auxiliares de Trump disseram que Kushner pretende abrir mão de seu salário, além de se distanciar da liderança de seus negócios.

Kushner, 35, é casado desde 2009 com Ivanka Trump, filha do presidente eleito. Sua empresa, as Organizações Kushner, é uma das maiores do ramo imobiliário em Nova York e é dona do portal "New York Observer".

A figura de Kushner emergiu ainda durante a campanha eleitoral como uma das principais vozes na equipe de Trump, especialmente nas áreas de estratégia e financiamento.

Veja também

Ex-policial Derek Chauvin é considerado culpado de todas as acusações pela morte de George Floyd
George Floyd

Ex-policial Derek Chauvin é considerado culpado de todas as acusações pela morte de George Floyd

Biden considera 'esmagadoras' as evidências do julgamento da morte de George Floyd
EUA

Biden considera 'esmagadoras' as evidências do julgamento da morte de George Floyd