Democratas propõem abolir colégio eleitoral que votará em Trump

A candidata democrata superou em mais de um milhão de votos o candidato republicano

Deep Marketing prestou serviçoa  Henrique Meirelles (MDB), que nega fraudeDeep Marketing prestou serviçoa Henrique Meirelles (MDB), que nega fraude - Foto: Evaristo Sá/AFP

Uma senadora democrata apresentou nesta terça-feira um projeto de lei para reformar o sistema eleitoral indireto que elege o presidente dos Estados Unidos, alegando que Donald Trump teve menos votos em nível nacional que sua adversária, Hillary Clinton.

"É o único país onde se pode obter mais votos e, no entanto, perder a Presidência", disse a senadora pela Califórnia, Barbara Boxer.

"O colégio eleitoral é um sistema obsoleto e antidemocrático, que não reflete nossa sociedade moderna, (o sistema) deve mudar imediatamente. Todos os americanos devem ter a garantia de que seu voto conta", afirmou.

Em 8 de novembro, os americanos elegeram, estado a estado, os 538 grandes eleitores que formam o colégio eleitoral.

Em 48 dos 50 estados da União, basta que um candidato ganhe por um voto para levar todos os grandes eleitores que representam estes estados, rompendo com a proporcionalidade.

Devido a este sistema, Trump levou 290 grandes eleitores contra os 232 de Hillary.

Mas em nível nacional, a candidata democrata superou em mais de um milhão de votos o candidato republicano.

Veja também

Senador republicano acusa Trump de 'corrupção histórica' após indulto a ex-assessor
Interferência

Senador republicano acusa Trump de 'corrupção histórica' após indulto a ex-assessor

Partidos pró-democracia de Hong Kong celebram primárias
Notícias

Partidos pró-democracia de Hong Kong celebram primárias