Depois de ficar à deriva por dois meses, barco com cerca de 400 refugiados é resgatado em Bangladesh

Aparentemente de campos de refugiados na costa sudeste de Bangladesh, refugiados estavam a caminho da Malásia, mas retornaram ao mar quando esse país implementou um rígido controle costeiro

Trinta e dois passageiros morreram a bordoTrinta e dois passageiros morreram a bordo - Foto: Suzauddin RUBEL / AFP

A guarda costeira de Bangladesh anunciou nesta quarta-feira que resgatou pelo menos 382 refugiados à deriva em um grande barco nas águas territoriais do país depois de quase dois meses no mar.

Em resposta a um alerta, a patrulha da Guarda Costeira do país lançou uma busca de três dias pelo navio, localizando-o à noite na costa sudeste do país, disse o porta-voz do organismo, tenente Shah Zia Rahman.

"Nós resgatamos pelo menos 382 Rohingya de um grande navio de pesca superlotado e os levamos a uma praia perto de Teknaf (cidade costeira). Eles estavam morrendo de fome", disse Rahman à AFP, acrescentando que mais de 30 morreram a bordo. "Eles estavam à deriva por 58 dias. E nos últimos sete dias, entraram nossas águas territoriais", declarou a fonte.

Os rohingya, aparentemente de campos de refugiados na costa sudeste de Bangladesh, estavam a caminho da Malásia, mas retornaram ao mar quando esse país implementou um rígido controle costeiro devido à pandemia de coronavírus, informou o diário local Dhaka Tribune.

Leia também:
ONG do Recife faz campanha para ajudar refugiados
Publicada lista de venezuelanos com condição de refugiados reconhecida
Conare reconhece condição de refugiados a mais de 21 mil venezuelanos

Rahman disse que as autoridades investigariam a possibilidade de os refugiados também terem vindo da região original de Rohingya, no estado de Rajin, na Birmânia, onde constituem uma minoria muçulmana perseguida. Segundo o jornal Dhaka Tribune, o navio carregava quase 500 rohingya.

Cerca de um milhão de rohingyas vivem em campos miseráveis perto da fronteira entre Bangladesh e Birmânia, de onde muitos deles fugiram para escapar de uma brutal repressão militar que começou em 2017.

Com poucas oportunidades de emprego e educação nos campos, milhares tentam chegar a outros países, como Malásia e Tailândia.

Veja também

Covid-19: OMS aponta presença da variante de Manaus em oito países
Coronavírus

Covid-19: OMS aponta presença da variante de Manaus em oito países

Viajante do Brasil ficará em quarentena vigiada por 10 dias, anuncia Boris Johnson
Coronavírus

Viajante do Brasil ficará em quarentena vigiada por 10 dias, anuncia Boris Johnson