Detido em Istambul confessa ser autor de massacre no Ano Novo

Abdullahad Masharipov passou 17 dias foragido após o ataque

Atirador matou 39 pessoas e deixou 69 feridosAtirador matou 39 pessoas e deixou 69 feridos - Foto: STRINGER / HABER TURK GAZETE / AFP

Um uzbeque de 34 anos suspeito de matar 39 pessoas em uma boate de Istambul na véspera do Ano Novo confessou ser o autor do massacre nesta terça-feira (17), horas após sua captura em uma operação policial.

Leia mais: Estado Islâmico reivindica chacina em Istambul 

As autoridades detiveram Abdullahad Masharipov, que passou 17 dias foragido após o ataque reivindicado pelo grupo extremista Estado Islâmico (EI), juntamente com três mulheres e um homem iraquiano durante uma grande operação policial em Istambul.

"O terrorista confessou seu crime", declarou o governador de Istambul, Vasip Sahin, à imprensa, afirmando que as impressões digitais do suspeito combinavam com as do homem que atacou a boate e confirmando que se trata de um cidadão uzbeque.

"Ele foi treinado no Afeganistão e fala quatro idiomas. É um terrorista bem treinado", acrescentou o governador, afirmando que Masharipov teria entrado pela primeira vez na Turquia em janeiro de 2016.

A polícia também confiscou 197 mil dólares e duas armas de fogo durante a operação, acrescentou.

A prisão diminuiu a ansiedade dos moradores de Istambul, preocupados após o ataque e que temiam mais ações terroristas enquanto o criminoso estivesse à solta na cidade.

Meios de comunicação locais publicaram uma foto do homem detido com sangue no rosto e vestindo uma camiseta, enquanto um policial segurava seu pescoço.

O presidente Recep Tayyip Erdogan saudou a prisão e felicitou as forças de segurança.

"A partir de agora, neste país ninguém sairá impune do que fizer", declarou em um discurso em Ancara. "Todos serão levados à justiça no âmbito do Estado de direito."

'Ataque vil'

A operação para capturar o suposto terrorista envolveu cerca de 2.000 policiais, disse o governador de Istambul.

O suspeito desapareceu logo após o ataque contra a famosa boate Reina, na margem do Bósforo, enquanto a polícia reforçava os controles nas fronteiras para evitar que ele escapasse.

Mas ele estava se escondendo nos bairros ocidentais de Istambul, de classe trabalhadora e densamente povoados. Dias de operações de busca da polícia eventualmente o localizaram em um apartamento no distrito residencial de Esenyurt.

Um homem iraquiano também foi detido com ele, além de três mulheres, uma cidadã egípcia e as outras duas de Estados africanos, disse Sahin.

Todos os suspeitos ainda estão sendo interrogados na sede da polícia, acrescentou.

O grupo extremista EI assumiu a responsabilidade pelo banho de sangue, a primeira vez em que reivindicou abertamente um grande ataque na Turquia.

Ele já havia sido culpado por vários ataques no país, incluindo o triplo atentado suicida no aeroporto de Istambul, em junho.

Veja também

Japão decreta novo estado de emergência por causa da Covid a três meses da Olimpíada
Coronavírus

Japão decreta novo estado de emergência por causa da Covid a três meses da Olimpíada

Padre e noivos são presos em casamento que quebrou regras da quarentena no Chile
QUARENTENA

Padre e noivos são presos em casamento que quebrou regras