Doença de Kate Middleton é mais comum na primeira gravidez

Enjoos e episódios de vômito são normais no início da gravidez e acometem cerca de 70% das gestantes

Kate Middleton, duquesa de CambridgeKate Middleton, duquesa de Cambridge - Foto: Adrian Dennis/AFP

A notícia de que Kate Middleton está grávida de seu terceiro filho foi acompanhada do anúncio de que a duquesa de Cambridge está sofrendo de hiperêmese gravídica. A doença é caracterizada pelo excesso de enjoos e vômitos, mais comuns nos três primeiros meses de gestação.

De acordo com Corintio Mariani Neto, diretor da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), enjoos e episódios de vômito são normais no início da gravidez e acometem cerca de 70% das gestantes.

Leia também
Revista pagará indenização de € 100 mil por fotos de Kate Middleton de topless


"Quando não conseguimos melhorar os sintomas com os cuidados tradicionais, como mudança de alimentação ou uso de antieméticos, e a situação vai evoluindo a ponto até de colocar em risco a vida da paciente, a doença muda de nome e passa a se chamar hiperêmese".

Na hiperêmese gravídica, explica Mariani Neto, a gestante não consegue ingerir sólidos ou líquidos. "Inicia-se um quadro de perda de peso e desnutrição. A paciente fica desidratada, hipoglicêmica, e a situação pode ficar grave."

Nesses casos, o tratamento requer internação, com remédios e líquidos introduzidos de forma intravenosa, além de alimentação por sonda.

Dentre as possíveis causas da doença, a principal é o hormônio beta HCG, produzido pela placenta, cuja concentração aumenta nas primeiras semanas e tende a diminuir depois. Há outros fatores que também podem contribuir. "Há estudos que mostram que, em muitos casos, mulheres com hiperêmese tinham a bactéria Helicobacter pylori, causadora da gastrite."

Não é a primeira vez que a mulher do príncipe William é diagnosticada com a doença. Ela sofreu do mesmo problema nas duas gestações anteriores. "Isso chama a atenção, já que a condição é mais comum na primeira gravidez, ainda que possa acontecer depois", diz Mariani Neto.

Segundo o especialista, há relatos na literatura médica de mortes provocadas por hiperêmese. "Você pode ter quadros como o da duquesa, que fica alguns dias no hospital e volta bem, até aqueles, mais raros, que evoluem até a morte da paciente."

A condição é considerada rara. No Brasil, de acordo com estudos médicos, a hiperêmese gravídica atinge de 0,3% a 3% das gestantes. Segundo Mariani Neto, o grupo de maior risco são as mulheres que estão engravidando pela primeira vez. Além disso, ela atinge mais as gestantes jovens, de pele clara, que apresentam distúrbios emocionais e aquelas cujo feto é do sexo feminino.

Veja também

Vacinação ajuda Boris Johnson a enfrentar onda de más notícias no Reino Unido
Vacina contra Covid-19

Vacinação ajuda Boris Johnson a enfrentar onda de más notícias no Reino Unido

Turistas vão em massa a Dubai para fugir dos confinamentos
Pandemia

Turistas vão em massa a Dubai para fugir dos confinamentos