Eleições primárias na Argentina acentuam polarização

A polarização entre os dois candidatos, visível durante toda a campanha, deve acirrar-se nos próximos meses, que antecedem as eleições gerais, marcadas para o dia 27 de outubro

Bandeira da ArgentinaBandeira da Argentina - Foto: El Caminante/Pixabay

Com mais de 80% das urnas apuradas, as eleições primárias na Argentina mostram que a dupla Alberto Fernández e Cristina Kirchner supera os 47% dos votos, alcançando 15% a mais que Mauricio Macri, atual presidente e candidato à reeleição.

Com atraso de mais de uma hora, os números das votações começaram a ser divulgados. A previsão para a divulgação era, inicialmente, às 21h. Por volta das 23h, Alberto Fernández computava 47%, enquanto Macri, 32%, com mais de 80% das urnas apuradas.

A polarização entre os dois candidatos, visível durante toda a campanha, deve acirrar-se nos próximos meses, que antecedem as eleições gerais, marcadas para o dia 27 de outubro. Um eventual segundo turno será dia 24 de novembro e o novo governo assumirá dia 10 de dezembro.

Leia também:
Pesquisas sugerem vitória da chapa de Kirchner nas primárias da Argentina
Argentina vai às urnas domingo em eleições primárias

As eleições de hoje, conhecidas como PASO (Primárias, Abertas, Simultâneas e Obrigatórias) servem apenas para definir os partidos e candidatos habilitados a participar das eleições gerais.

O comparecimento dos argentinos foi de aproximadamente 75%. Cerca de 34 milhões de argentinos estavam habilitados para votar.

Veja também

Nicarágua rejeita relatório do Conselho de Direitos Humanos da ONU
ONU

Nicarágua rejeita relatório do Conselho de Direitos Humanos da ONU

Situação na Europa preocupa apesar de restrições para conter pandemia
Coronavírus

Situação na Europa preocupa apesar de restrições para conter pandemia