Em cima da hora, União Europeia e Reino Unido chegam a acordo sobre o brexit

Em Londres, o primeiro-ministro britânico Boris Johnson anunciou um "excelente novo acordo que retoma o controle"

Bandeira britânicaBandeira britânica - Foto: Tolga Akmen / AFP

O Reino Unido e a União Europeia (UE) chegaram a um acordo nesta quinta (17) para a saída do país do bloco, dando início a uma corrida contra o tempo para aprovar a proposta até 31 de outubro, data marcada para o brexit.

Eram 10h35 em Londres (6h35 em Brasília) quando o premiê Boris Johnson fez o anúncio esperado há meses: "Nós temos um acordo que retoma o controle", escreveu ele em uma rede social. A informação foi confirmada simultaneamente pelo presidente da Comissão Europeia (o braço executivo da UE), Jean-Claude Juncker.

Leia também:
Primeiro-ministro do Reino Unido chama de "infames" gritos racistas
Boris Johnson e Merkel concordam em não concordar sobre brexit

A aprovação do projeto, porém, ainda tem um longo caminho a percorrer e há dúvidas se ele terá apoio suficiente para ser confirmado no Parlamento britânico, a etapa derradeira.

Os líderes dos 28 Estados-membros da União Europeia (incluindo Boris) vão se reunir em Bruxelas entre quinta e sexta (18) para dar uma espécie de bênção ao acordo. Isso feito, caberá aos legislativos do bloco e do Reino Unido aprovarem a medida, que depois voltará para os chefes de Estado ratificarem. Enquanto pelo lado europeu não são esperados problemas na aprovação, no Reino Unido ninguém tem ideia do que acontecerá.

Durante a madrugada, o partido norte-irlandês DUP, que faz parte da coalizão governista e é considerado o fiel da balança para a aprovação do projeto, anunciou que era contra o acordo até aquele momento -a sigla ainda não se manifestou após o anúncio do primeiro-ministro.

Além disso, a oposição trabalhista não perdeu tempo e já se declarou contra o projeto. "Pelo que sabemos, parece que o primeiro-ministro negociou um acordo ainda pior que o de Theresa May, que foi amplamente rejeitado", disse o líder da sigla, Jeremy Corbyn.

Ele se referiu ao acordo anterior feito pela UE com a antecessora de Boris. A proposta foi aprovada pelos europeus, mas acabou rejeitada três vezes pelo Legislativo britânico, o que acabou precipitando a renúncia de May. O novo acordo de Boris é, na realidade, uma versão modificada deste acordo anterior e o temor é que ele tenha o mesmo destino.

A votação no Parlamento britânico deve acontecer já neste sábado (19), em uma sessão extraordinária -a última vez que a Casa se reuniu em um sábado foi em 1982, um dia após o início da Guerra das Malvinas. Uma lei aprovada pelos deputados estabelece que o Parlamento deve aprovar até as 23h locais (19h de Brasília) de sábado um acordo para o brexit. Caso isso não aconteça, o premiê deve pedir um adiamento do brexit para o fim de janeiro de 2020.

O projeto foi aprovado porque os parlamentares queriam impedir o chamado "no deal", ou seja, o divórcio sem acordo. Segundo estudos, uma saída dessa forma poderia derrubar a economia britânica.

Boris, porém, chegou ao cargo prometendo que o Reino Unido deixaria o bloco no dia 31 de qualquer maneira. Ele já disse que, caso isso não aconteça, vai buscar brechas para não pedir o adiamento -o que poderia jogar o país em uma crise constitucional entre Executivo e Legislativo. Por isso, a corrida para a aprovação imediata.

Quais os próximos passos
17.out Governo britânico deve divulgar o novo texto do acordo e a recomendação de sua equipe jurídica
18.out Líderes europeus reunidos em Bruxelas tem até esta data para recomendarem a aprovação do projeto
19.out Parlamento britânico vota a aprovação ou não do acordo
31.out Data marcada para o brexit
31.jan.2020 Data para a qual o brexit deve ser adiado caso o acordo não seja aprovado

Veja também

Pela última vez, Trump perdoa peru pelo Dia de Ação de Graças
EUA

Pela última vez, Trump perdoa peru pelo Dia de Ação de Graças

Biden monta gabinete moderado com diversidade na superfície para neutralizar críticas da esquerda
EUA

Biden monta gabinete moderado com diversidade na superfície para neutralizar críticas da esquerda