Em resposta a protecionismo de Trump, México busca diversificação

O governo mexicano entrou em ação nesta semana e garante estar pronto para tirar proveito de suas dezenas de tratados comerciais assinados no mundo todo

Presidente dos EUA, Donald TrumpPresidente dos EUA, Donald Trump - Foto: Saul Loeb/AFP

Diante do choque protecionista de Donald Trump, o México acelera suas negociações de livre-comércio com a Europa e volta seus olhares para a Ásia, mas diminuir sua dependência do vizinho e maior mercado do mundo será um enorme desafio.

O governo mexicano entrou em ação nesta semana e garante estar pronto para tirar proveito de suas dezenas de tratados comerciais assinados no mundo todo. Especialistas garantem, porém, que não será simples conseguir essa diversificação urgente.

Na quarta-feira (1º), o México anunciou um acordo para acelerar negociações com a União Europeia (UE) e modernizar seu acordo comercial vigente desde 2000 - e que teve intercâmbios por 53 bilhões de euros em 2015 -, assim como sua intenção de negociar um tratado de livre-comércio com o Reino Unido.

Além disso, confirmou o início de um período de 90 dias de consultas com o setor privado, legisladores e autoridades locais para definir os termos da renegociação do Tratado de Livre-Comércio da América do Norte (Nafta).

Cumprido esse processo, que se realizará simultaneamente nos Estados Unidos e no Canadá, os sócios devem se sentar à mesa no início de maio, estimou o ministro mexicano da Economia, Ildefonso Guajardo. Assim como Trump, ele disse que seu país poderá sair do Nafta, se não obtiver um bom acordo.

"É bom que o México se volte para outros lugares, mas eu não daria o Nafta como morto", disse Gabriela Siller, diretora de análise do banco local BASE em Monterrey.

A saída, segundo a especialista, está em aproveitar esse impasse para ampliar a participação do México no mercado global, buscando opções que incluam não apenas o intercâmbio comercial, mas serviços como o turismo, assim como a atração de investimento estrangeiro direto de países como China, Japão e Coreia do Sul.

"Seria pouco inteligente não começar a explorá-las, mas isso dependerá do quão hábeis serão as negociações do governo mexicano e do quão rápido elas poderão acontecer", afirmou.

- Olhar para o Oriente

Com a urgência, os apelos para que se olhe para a China como novo grande parceiro pode ser uma jogada de mestre, ao equiparar o tamanho do mercado americano.

Na quarta-feira, após anunciar uma aliança de investimento de mais de US$ 200 milhões entre a fabricante de automóveis chinesa JAC Motors e a mexicana Giant, o governador de Hidalgo, Omar Fayad, traçou a estratégia: "Quando você não pode ver somente o Norte, pode ver o Oriente".

A China já é o segundo maior parceiro comercial do México, com negócios de US$ 75 bilhões em 2015, apesar de não contar com um TLC. Esse intercâmbio comercial ainda é bastante desigual, porém, já que o México importa 14 vezes mais do que exporta.

"Se fosse uma partida de futebol, eles estariam nos goleando feio", comparou Enrique Dussel, coordenador do Centro de Estudos China-México da Universidade Nacional Autônoma do México.

O acadêmico diz ser "cético e cauteloso" sobre a ideia de transformar a China no grande fator de diversificação comercial e investimento, sobretudo, porque a relação bilateral tem sido "tensa", com investimentos fracassados e disputas na Organização Mundial do Comércio (OMC) nos setores têxtil, de aço e brinquedos, entre outros.

- Um hábito difícil de romper

Em menos de duas semanas como presidente dos Estados Unidos, Trump ameaçou o papel do México como provedor privilegiado do principal mercado mundial, uma situação à qual o país latino-americano se habituou muito naturalmente.

"Levamos muitos anos falando de diversificar o comércio exterior do México e não é simples", afirma o diretor-adjunto do Instituto Mexicano para a Compet (IMCO), Manuel Molano.

Para o economista, o enorme peso econômico da potência mundial e sua estratégica vizinhança determinaram que a economia mexicana orbite a superpotência.

O México envia cerca de 80% de suas exportações para os EUA - na maioria, manufaturas compostas por até 40% de insumos fabricados nos Estados Unidos, o que revela a forte complementaridade de suas indústrias nacionais.

Segundo Molano, que o México consiga encontrar novos provedores que supram sua indústria no lugar dos Estados Unidos não seria o maior dos problemas, já que chineses, alemães, ou japoneses, seriam rápidos para atender a esse tipo de demanda.

Veja também

Grávida, Meghan Markle não acompanhará Harry ao funeral do príncipe Philip
Realeza

Grávida, Meghan Markle não acompanhará Harry ao funeral do príncipe Philip

Ao menos 7 mortos em terremoto na Indonésia
Ásia

Ao menos 7 mortos em terremoto na Indonésia