A-A+

Entenda o envolvimento do Iraque em outros conflitos internacionais

O Iraque se envolveu numa série de guerras ao longo do século 20, muitas delas internas, relacionadas a disputas de poder e à repressão da etnia curda no país

Manifestações no IraqueManifestações no Iraque - Foto: Ahmad Al-Rubaye / AFP

No centro do conflito entre os Estados Unidos e o Irã, que se acirrou depois da morte do general Qassim Suleimani pelos americanos na última sexta (3), está o Iraque.

O Iraque se envolveu numa série de guerras ao longo do século 20, muitas delas internas, relacionadas a disputas de poder e à repressão da etnia curda no país.

Os conflitos externos se intensificaram, porém, com a chegada do ditador Saddam Hussein ao poder, em 1979. Ele protagonizou embates contra o Irã, o Kuwait e os Estados Unidos.

Leia também:
Trump diz que 'está tudo bem' após ataque iraniano a bases dos EUA no Iraque
Ataque no Iraque foi 'tapa na cara' dos EUA, diz líder supremo do Irã
Companhias aéreas do mundo todo suspendem voos para Irã e Iraque


Washington mantém desde 2014 tropas em território iraquiano -elas inicialmente tinham retiradas em 2011 pelo presidente Barack Obama, mas retornaram três anos depois para combater o grupo radical Estado Islâmico.

Confira alguns dos principais conflitos internacionais envolvendo o Iraque:

Revolução Iraquiana (1920)
Em 1920, os iraquianos se revoltam contra o domínio britânico no país -eles ocupavam a região, antes parte do Império Otomano, desde 1917. Os dois países enfim chegam a um acordo de independência em 1932, com a entrada do Iraque na Liga das Nações, embrião da ONU.

Guerra Anglo-Iraquiana (1941)
Na Segunda Guerra Mundial, o Iraque se alia ao Eixo, formado por Itália, Alemanha e Japão, em função de pressões do pan-arabismo. Em resposta, a Inglaterra invade o país, e em 30 dias derrota as tropas locais. Os britânicos só saem do Iraque anos depois, de modo a manter o acesso ao petróleo na região.

Primeira Guerra Árabe-Israelense (1948-49)
O Iraque foi um dos países árabes que não reconhecerem a criação do estado de Israel, em 1948. Tropas árabes invadiram o antigo território palestino e uma via de transporte de petróleo foi desativada e desviado para a Síria.

Guerra do Irã-Iraque (1980-88)
Aproveitando a Revolução Iraniana, que isolou Teerã, o ditador iraquiano, Saddam Hussein, invade a região do Curdistão, na fronteira do Irã, e toma controle sobre as duas margens do rio Shatt al-'Arab. A guerra termina em 1988, com a retirada das tropas iraquianas do Irã, a divisão da soberania sobre o rio, e a troca de prisioneiros de guerra. Os inimigos só restauram relações diplomáticas em 1990, quando o Iraque invade o Kuwait.

Guerra do Golfo (1990-1991)
Em agosto, Saddam Hussein invade o Kuwait com o objetivo de assumir as reservas de petróleo do país. A ação é condenada pelo Conselho de Segurança da ONU, e uma coalização formada pelos Estados Unidos e por países europeus e árabes invade o país. O cessar-fogo é declarado no início do ano seguinte. O Iraque é obrigado a reconhecer a soberania do Kuwait e a se livrar das armas de destruição em massa e mísseis de alcance superior a 190 km.

Guerra do Iraque (2003–2011)
O Iraque continuou a desobedecer sanções emitidas pelos Estados Unidos e pela Inglaterra depois da Guerra do Golfo. Em 2002, depois dos ataques do 11 de setembro, o presidente George Bush acusa o Iraque de ter continuado a produzir e a abrigar armas de destruição em massa, afirmação que anos depois se mostrou falsa. Ele passa por cima da ONU, porém, e pede a saída do líder do Iraque, Saddam Hussein, em 48 horas. Os Estados Unidos, junto com a Inglaterra, invadem e rapidamente assumem o comando do Iraque. O ataque é sucedido por uma longa ocupação do país pelo exército americano que, interrompida em 2011, foi retomada novamente em 2014, com o objetivo de combater o Estado Islâmico.

Veja também

G20: Brasil vai priorizar temas como saúde, tecnologia e meio ambiente
Brasil

G20: Brasil vai priorizar temas como saúde, tecnologia e meio ambiente

ONU teme 'crimes hediondos em massa' em Mianmar
Direitos Humanos

ONU teme 'crimes hediondos em massa' em Mianmar