Equador admite ter cortado acesso de Assange à internet

Acesso foi cortado depois de o WikiLeaks divulgar no fim de semana uma nova série de documentos secretos

Metrópole leva 18 DJs para as pistas ao comemorar aniversário da casa, na Boa VistaMetrópole leva 18 DJs para as pistas ao comemorar aniversário da casa, na Boa Vista - Foto: Divulgação

O governo do Equador admitiu, nesta quarta-feira (19), que foi o responsável por cortar o acesso à internet do fundador do WikiLeaks, Julian Assange, que está refugiado em sua embaixada em Londres. A informação é da Agência Ansa. O WikiLeaks é uma organização sem fins lucrativos, sediada na Suécia, que publica, em sua página na internet, postagens de fontes anônimas.

O Ministério das Relações Exteriores do Equador informou que desativou "temporariamente" a rede usada por Assange, depois de o WikiLeaks divulgar no fim de semana uma nova série de documentos secretos, alguns dos quais sobre a candidata democrata à Presidência dos Estados Unidos, Hillary Clinton. Ontem (18), o WikiLeaks havia levantado a suspeita de que os Estados Unidos teriam pressionado o Equador para tirar o acesso de Assange à internet e impedir que o site investigativo publicasse mais relatórios sobre Hillary.

A democrata lidera as pesquisas de intenção de voto para as eleições norte-americanas de novembro, nas quais enfrentará o magnata Donald Trump, que concorre pelo Partido Republicano.

Assange está refugiado na embaixada do Equador em Londres há quatro anos e teme ser extraditado para os EUA, onde pode ser processado por espionagem e condenado à prisão perpétua.

Veja também

Antes de referendo, protestos marcam um ano de manifestações no Chile
Referendo

Protestos marcam um ano de manifestações no Chile

Projeções apontam vitória do candidato de Evo Morales no 1º turno na Bolívia
América Latina

Projeções apontam vitória do candidato de Evo Morales no 1º turno na Bolívia