Equador decreta estado de exceção por causa de protestos

A ministra do Governo, María Paula Romo, informou que 19 pessoas foram presas por causa de excessos durante as manifestações na manhã desta quinta-feira

Manifestantes em confronto com a polícia no EquadorManifestantes em confronto com a polícia no Equador - Foto: RODRIGO BUENDIA / AFP

O presidente do Equador, Lenín Moreno, decretou nesta quinta-feira (3) estado de exceção no país, em resposta à greve declarada pelo Sindicato dos Transportes, em rejeição ao aumento no preço dos combustíveis e ao pacote de medidas econômicas que o governo implementou no âmbito do acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI).

"Para garantir a segurança dos cidadãos e evitar o caos, estabeleci o estado de exceção em nível nacional", disse Moreno, em declaração à imprensa no Palácio de Carondelet, sede do Executivo equatoriano.

O anúncio ocorre em meio a um tumulto geral no país, com representantes de organizações estudantis, indígenas e trabalhadores em alerta e organizando mobilizações para rejeitar a eliminação dos subsídios aos combustíveis, entre outras medidas econômicas.

Leia também:
Presidente peruano empossa novos ministros, entre eles fujimorista dissidente
Lula recebe título de cidadão honorário da cidade de Paris

Lenín Moreno afirmou que a reivindicação de direitos não pode prejudicar os direitos que são realmente “fundamentais para o progresso do país: trabalho, educação e mobilidade livre".

O presidente disse ainda que reitera a abertura ao diálogo, um mecanismo que, segundo ele, é aplicado no país desde o primeiro dia de seu governo e enfatizou que não aceitará chantagens e agirá de acordo com a lei.

A ministra do Governo, María Paula Romo, informou que 19 pessoas foram presas por causa de excessos durante as manifestações na manhã desta quinta-feira.

María Paula explicou que o estado de exceção garante que os cidadãos possam se mobilizar e que os produtos cheguem ao seu destino. "[O estado de exceção] não é para interromper o movimento dos cidadãos, mas para garantir isso", enfatizou.

*Com informações da Télam e da Ecuador TV

Veja também

Opas afirma que Venezuela pode receber vacinas anticovid da Johnson & Johnson em junho
Vacinas

Opas afirma que Venezuela pode receber vacinas anticovid da Johnson & Johnson em junho

Cerca de 1,5 mil foguetes foram lançados contra Israel esta semana, afirma Exército israelense
Conflito

Cerca de 1,5 mil foguetes foram lançados contra Israel esta semana, afirma Exército israelense