Mundo

Espanha receberá barco com 629 migrantes

O barco Aquarius transporta 629 migrantes, incluindo sete mulheres grávidas, 11 crianças pequenas e 123 menores de idade sem responsáveis, mas a embarcação foi rejeitada pela Itália e Malta

Barco com 629 migrantes flutua no Mar MediterrâneoBarco com 629 migrantes flutua no Mar Mediterrâneo - Foto: Karpov / SOS MEDITERRANEE / AFP

A Espanha receberá o barco Aquarius com 629 migrantes, atualmente em águas do Mediterrâneo, depois que Itália e Malta se negaram a acolhê-lo, anunciou nesta segunda-feira (11) o governo de Pedro Sánchez, afirmando que a decisão pretende evitar uma catástrofe humanitária.

"É nossa obrigação ajudar a evitar uma catástrofe humanitária e oferecer 'um porto seguro para essas pessoas", disse o comunicado do governo. A nota diz ainda que o porto escolhido por Sánchez para a recepção do barco é o de Valencia, no leste do país.

O Aquarius, fretado pela ONG SOS Méditerranée, resgatou no sábado (9) 629 migrantes, incluindo sete mulheres grávidas, 11 crianças pequenas e 123 menores de idade sem responsáveis, mas a embarcação está em 'stand-by' no mar, perto de Itália e Malta, que se negam a dar acesso a qualquer porto.

Leia também:
Morrem 47 imigrantes no litoral da Tunísia
Expulsar imigrantes será prioridade, diz novo ministro do Interior italiano
Onze imigrantes mortos e 263 resgatados no mar da Líbia


Em um comunicado, o Acnur -braço da ONU para refugiados- fez um "apelo aos governos envolvidos para permitir o desembarque imediato de centenas de pessoas retidas no Mediterrâneo desde sábado a bordo de um barco de resgate, o Aquarius", e acrescentou que as "pessoas na embarcação estão ficando sem mantimentos".

Malta reiterou neste domingo (10) sua recusa a receber o barco, apesar do pedido da Itália, que também se mostra decidida a não permitir a entrada em nenhum de seus portos.

O ministro do Interior italiano e chefe do partido de extrema direita A Liga, Matteo Salvini, confirmou nesta segunda-feira que não tinha intenção de voltar atrás. "Salvar vidas é um dever, transformar a Itália em um campo de refugiados, não, a Itália deixou de abaixar a cabeça e obedecer, desta vez TEM ALGUÉM QUE DIZ NÃO", escreveu Salvini em uma rede social com a hashtag #chiudiamoiporti (fechamososportos).

O ministro também reagiu à chegada pela manhã, em frente ao litoral da Líbia, de outro barco fretado por uma ONG alemã, a Sea Watch. "Associação alemã, barco holandês, Malta que não se move, França que rejeita e Europa que faz a mesma coisa, chega", disse Salvini.

Vários portos italianos, no entanto, expressaram sua disposição de acolher o Aquarius. "Se um ministro sem coração deixa morrer no mar mulheres grávidas, crianças, idosos, seres humanos, o porto de Nápoles está pronto para recebê-los", afirmou o prefeito dessa cidade do sul da Itália, Luigi de Magistris.

O premiê italiano, Giuseppe Conte, anunciou que foram enviados dois barcos de patrulha com medicamentos e prontos a atender às necessidades das pessoas à bordo. É a primeira vez desde a chegada ao poder da coalizão entre A Liga e o Movimento Cinco Estrelas (M5S, antissistema) que a Itália bloqueia seus portos. Salvini fez campanha antes das eleições em março prometendo o fechamento das fronteiras aos migrantes.

Desde o resgate dos migrantes, na noite de sábado, o barco fretado pela ONG SOS Méditerranée busca um porto seguro para desembarcar. Vincent Cochetel, enviado especial da agência da ONU para o Mediterrâneo central disse que "as pessoas a bordo estão angustiadas, faltam provisões e precisam de ajuda rapidamente".

A Comissão Europeia, braço Executivo da União Europeia, também pediu nesta segunda-feira uma "solução rápida" para o caso. Por sua parte, a Alemanha expressou "preocupação com a situação e pediu às partes envolvidas que assumam sua responsabilidade humanitária", disse o porta-voz do governo Angela Merkel, Steffen Seibert.

A Itália, que em 2013 viu desembarcar em seu litoral cerca de 700.000 migrantes, sente que durante a crise migratória a deixaram sozinha na condução da situação sem qualquer ajuda de seus sócios da União Europeia.

Veja também

Dia de horror: o que se sabe até agora sobre massacre no Texas
Ataque

Dia de horror: o que se sabe até agora sobre massacre no Texas

Mais de 200 casos confirmados de varíola do macaco no mundo, segundo agência europeia
Internacional

Mais de 200 casos confirmados de varíola do macaco no mundo