Estado Islâmico reivindica chacina em Istambul

Atirador invadiu festa de Réveillon em boate e matou 39 pessoas, além de deixar 69 feridos

O Chegando Junto é um programa municipal de assistência e geração de renda, implantado pelo prefeito Geraldo Julio, com o objetivo de reduzir a pobreza e a desigualdadeO Chegando Junto é um programa municipal de assistência e geração de renda, implantado pelo prefeito Geraldo Julio, com o objetivo de reduzir a pobreza e a desigualdade - Foto: Inaldo Lins/ PCR

O grupo Estado Islâmico (EI) reivindicou o atentado contra a badalada boate Reina, em Istambul, durante a noite de Réveillon, com um balanço de 39 mortos e 69 feridos.

O autor da chacina continua sendo procurado pelas autoridades.

Leia mais:
Ataque em boate mata 35 e fere 40 em Istambul
Sobe para 39 o número de mortos em ataque terrorista em boate na Turquia

O ataque


À 01h25 de domingo (20h15 de sábado, hora de Brasília), uma pessoa armada com um fuzil apareceu diante da boate Reina, no coração de Istambul, e abriu fogo contra as pessoas que estavam na entrada, segundo o governador do Istambul, Vasip Sahin.

Depois de entrar na boate, o atirador disparou aleatoriamente contra a multidão.

O agressor


A matança foi reivindicada nesta segunda-feira pelo grupo radical Estado Islâmico (EI), que em um comunicado assinalou que o agressor era "um dos soldados do califado".

As autoridades turcas se lançaram à caçada do atirador, que "aproveitando o caos" gerado na discoteca conseguiu fugir, segundo o primeiro-ministro Binali Yildirim.

Yildirim desmentiu as informações da imprensa de que o autor da matança estava fantasiado de Papai Noel e acrescentou que ele abandonou a arma no local do crime.

Algumas testemunhas afirmaram ter ouvido o agressor falar em árabe, mas as autoridades ainda não confirmaram esta versão.

O jornal Hürriyet, por sua vez, informou que o autor do massacre pode ser originário de um país da Ásia Central, Quirguistão ou Uzbequistão.

O local

A boate Reina é uma emblemática casa noturna de Istambul, localizada em Ortaköy, um bairro do distrito de Besiktas, no lado europeu da cidade.

De acordo com a agência de notícias turca Dogan, ao menos 700 pessoas se reuniam na discoteca para comemorar a chegada do Ano Novo.

A boate Reina é um lugar exclusivo, de difícil acesso, e está situada a poucas centenas de metros do espaço onde ocorriam as celebrações oficiais do Ano Novo, às margens do Bósforo.

O contexto

Nos últimos meses, a Turquia sofreu muitos atentados atribuídos ao grupo extremista Estado Islâmico (EI) ou vinculados à rebelião separatista do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), que atingiram principalmente Istambul e Ancara.

Depois de um ano de 2016 sangrento, as autoridades turcas haviam anunciado a mobilização de 17.000 policiais na metrópole por ocasião das celebrações do Ano Novo.

Integrante da coalizão internacional que combate o grupo EI na Síria e no Iraque, a Turquia iniciou em agosto uma ofensiva no norte da Síria para repelir os extremistas e empurrá-los para o sul, mas também contra as milícias curdas sírias.

Rebeldes sírios apoiados pelo exército turco cercam há várias semanas a cidade de Al Bab, um reduto do EI no norte da Síria.

Em resposta a estas operações militares, o grupo EI ameaçou em várias ocasiões atacar a Turquia, que se tornou um dos principais alvos dos extremistas.

Veja também

Reino Unido soma 32 mortos por coágulos em milhões de vacinados com AstraZeneca
Coronavirus

Reino Unido soma 32 mortos por coágulos em milhões de vacinados com AstraZeneca

Bélgica detecta variante indiana da Covid em estudantes que passaram por Paris
Coronavirus

Bélgica detecta variante indiana da Covid em estudantes que passaram por Paris