Estudantes vão a Washington pedir reforma na lei sobre armas

Marcada para o dia 24 de março, a marcha pretende inspirar outros eventos em todo o país

Escola Marjory Stoneman DouglasEscola Marjory Stoneman Douglas - Foto: Reprodução/Google Street View

Estudantes que sobreviveram ao tiroteio da Flórida anunciaram, neste domingo (18), a organização de uma marcha no dia 24 de março, em Washington, para exigir leis mais rígidas de controle de armas, depois que a tragédia em Parkland reavivou esse recorrente debate nos Estados Unidos.

Na última quarta, Nikolas Cruz, um ex-aluno da escola Marjory Stoneman Douglas de Parkland, ao norte de Miami, abriu fogo nos corredores da instituição, atirando com um rifle semiautomático. Matou 17 pessoas. Com 19 anos de idade, ele obteve licença para comprar sua arma, apesar de informes de comportamento violento.

Desde esse dia, muitas vozes se levantaram contra o peso da National Rifle Association (NRA) na política nacional. O mais poderoso lobby de armas no país defende a livre venda de armas pessoais.

Leia também:
Atirador que matou 17 na Flórida era de grupo racista e exibia armas
Trump visita sobreviventes de ataque na Flórida
Tiroteio em escola na Flórida deixa vários feridos


Espera-se que a manifestação de Washington, batizada de "Marcha por nossas vidas", inspire outros eventos em todo país. 

"Não é contra o Partido Republicano, ou contra os democratas", garantiu a estudante Cameron Kasky em entrevista à rede de televisão ABC. "Todos os políticos de ambos os lados que recebem dinheiro da NRA são responsáveis", frisou.

O lobby se opõe a qualquer limitação no setor, apoiando-se na Segunda Emenda da Constituição, a qual garante a qualquer cidadão americano o direito à posse e ao porte de arma.

Veja também

Após morte de George Floyd, capas de revistas com negros disparam
EUA

Após morte de George Floyd, capas de revistas com negros disparam

Pandemia implode sistema de testes, e Alemanha e França reimpõem bloqueios
Coronavírus

Pandemia implode sistema de testes, e Alemanha e França reimpõem bloqueios