Estudo revela que aves já cantavam na era dos dinossauros

Cientistas estudaram um Vegavis iaai, a ave "moderna" (tal como a conhecemos hoje) mais antiga conhecida para chegar a essa afirmação

Silvio Costa, Wolney e José Queiroz vão lutar para manter os direitos de trabalhadoresSilvio Costa, Wolney e José Queiroz vão lutar para manter os direitos de trabalhadores - Foto: Divulgação

O Tiranossauro rex acordava com o canto dos pássaros, assim como acontece conosco, estabelece um novo estudo publicado nesta quarta-feira (12) e que demonstra que as aves já eram capazes de piar e, portanto, se comunicar há 70 milhões de anos.

"Nosso estudo prova que as aves podiam se comunicar acima da cabeça dos dinossauros", explicou à AFP Julia Clarke, pesquisadora da Universidade do Estado da Carolina do Norte, em Raleigh, coautora do estudo publicado na revista britânica Nature.

A cientista baseia sua afirmação no estudo de um Vegavis iaai, a ave "moderna" (tal como a conhecemos hoje) mais antiga conhecida. Ela se assemelhava aos gansos e patos da atualidade e já existia no Cretáceo, há 70 milhões de anos.

O fóssil do animal foi encontrado na Antártica ocidental e teria 66 milhões de anos. O exemplar já tinha permitido a Julia Clarke afirmar que as aves modernas eram contemporâneas dos dinossauros, quando se acreditava que haviam surgido muito mais tarde. Mas daí a pensar que as primeiras aves "modernas" tivessem a capacidade de cantar, era algo bem diferente.

Um estudo mais aprofundado do fóssil, usando uma técnica de geração de imagens médicas em 3D muito potente, a tomografia assistida por computador, permitiu aos cientistas descobrir a presença de uma siringe, órgão que permite às aves emitir sons, assim como a laringe nos seres humanos.

Os autores do estudo observaram que as características gerais do órgão são similares às dos patos e dos gansos atuais.

Veja também

Líder de seita de escravas sexuais é condenado a 120 anos de prisão
EUA

Líder de seita de escravas sexuais é condenado a 120 anos de prisão

Estudo sugere queda de anticorpos associada à segunda onda de Covid na Inglaterra
Coronavírus

Estudo sugere queda de anticorpos associada à segunda onda de Covid na Inglaterra