Mundo

EUA acredita que líder do EI está vivo

O governo americano elevou para 25 milhões de dólares a recompensa que oferece por informações sobre o paradeiro do líder do EI

A MP 891/2019 transforma em definitiva a política de antecipação de metade do 13º dos segurados do INSS, que passou a ser paga junto com a aposentadoria do mês de agostoA MP 891/2019 transforma em definitiva a política de antecipação de metade do 13º dos segurados do INSS, que passou a ser paga junto com a aposentadoria do mês de agosto - Foto: Divulgação

O Pentágono disse nesta sexta-feira (30) que acredita que o chefe do grupo jihadista Estado Islâmico (EI), Abu Bakr Al Bagdadi, está vivo, apesar das numerosas operações realizadas pela coalizão liderada pelos Estados Unidos para matá-lo.

"Acreditamos que Al-Bagdadi está vivo e segue liderando o ISIL (acrônimo do EI). Obviamente estamos fazendo tudo o que podemos para monitorar seus movimentos", disse o porta-voz do Pentágono Peter Cook à rede de televisão CNN.

"Se tivermos a oportunidade, sem dúvida aproveitaremos para levá-lo à Justiça".

O governo americano elevou para 25 milhões de dólares a recompensa que oferece por informações sobre o paradeiro do líder do EI.

O grupo jihadista publicou em 2014 o único vídeo que se conhece de Al-Bagdadi, no qual aparece vestindo uma túnica e um turbante negros.

Cook assinalou que Al-Bagdadi está isolado porque os ataques da coalizão liquidaram muitos líderes do EI.

"Está difícil para ele encontrar conselheiros e confidentes porque muitos já morreram", explicou o porta-voz do Pentágono.

Segundo o governo iraquiano, Al-Bagdadi nasceu em 1971 em Samarra, cidade situada ao norte de Bagdá, e supostamente se tornou jihadista após os Estados Unidos invadirem o Iraque, em 2003, quando ficou detido em uma prisão americana.

Veja também

Biden pede que americanos enfrentem 'lobby das armas'
Estados Unidos

Biden pede que americanos enfrentem 'lobby das armas'

China enfrenta novas denúncias de abusos, durante visita de comissária da ONU
Repressão a uigures

China enfrenta novas denúncias de abusos, durante visita de comissária da ONU