EUA bombardeiam último reduto extremista na Líbia

A retomada da cidade se prolongou principalmente pela prudência destas forças para evitar novas perdas e proteger os civis.

Os Estados Unidos continuam bombardeando os extremistas do grupo Estado Islâmico (EI), entrincheirados nos "dois últimos conjuntos habitacionais" de Sirte, no norte da Líbia, informou nesta quinta-feira o Pentágono.

Os combatentes "são muito poucos, mas são tenazes e lutam até a morte", declarou o porta-voz do Pentágono, Jeff Davis, que explicou que os ataques são realizados por drones.

Quando estes bombardeios foram lançados, em 1º de agosto, Washington considerava que sua campanha para recuperar Sirte, em apoio do Governo de União Nacional Líbio (GNU), duraria "semanas, não meses".

Mas o grupo EI opôs uma resistência mais dura do previsto em seu último reduto líbio, nesta cidade costeira situada 450 km ao leste de Trípoli. A localidade é a última zona urbana na qual o EI tem posições, embora continua presente em zonas não habitadas do país, lembrou o porta-voz.

A retomada da cidade, lançada em 12 de maio pelas forças favoráveis ao GNA, se prolongou principalmente pela prudência destas forças para evitar novas perdas e proteger os civis.

Davis não quis informar porque o GNA e os líderes militares americanos não decidiram lançar um bombardeio maciço sobre os últimos imóveis nas mãos dos extremistas.

Veja também

França estuda restrições para Covid-19 até abril de 2021
Coronavírus

França estuda restrições para Covid-19 até abril de 2021

Manifestantes preparam atos para caso Trump rejeite resultado das urnas
Eleições nos EUA

Manifestantes preparam atos para caso Trump rejeite resultado das urnas