A-A+

EUA defende novas restrições de viagens e prepara mais evacuações por coronavírus

Até o momento, o Estados Unidos tem 11 casos confirmados do novo vírus, segundo novo balanço divulgado nesta segunda

Donald TrumpDonald Trump - Foto: Chip Somodevilla/Getty Images/AFP

Autoridades sanitárias dos Estados Unidos defenderam nessa segunda-feira (3) a decisão de fechar as fronteiras aos turistas que recentemente foram à China por causa da epidemia do novo coronavírus.

Os EUA estão preparando novas evacuações de seus cidadãos que se encontram na província de Hubei. Até o momento, o Estados Unidos tem 11 casos confirmados do novo vírus, segundo novo balanço divulgado nesta segunda.

Leia também:
Novo coronavírus se propaga rapidamente e faz a primeira vítima fatal em Hong Kong
Com mais 64 mortos, chega a 425 número de falecimentos por coronavírus na China
Brasil tem 14 casos suspeitos por coronavírus após novos descartes


"A situação não tem precedentes, estamos tomando as medidas necessárias", disse Nancy Messonnier, especialista responsável por doenças respiratórias nos Centros para o Controle e Prevenção de Doenças (CDC), em resposta às acusações de Pequim contra Washington de estar criando um clima de "pânico".

"Há algumas semanas havia 41 casos na China e nesta manhã já há 17 mil. Quer dizer, 17 mil casos com o novo coronavírus, para o qual a população não tem imunidade", disse. "Temos a oportunidade de reduzir a rapidez (do contágio) antes de que chegue aos EUA".

"Em situações como essa, as considerações científicas devem estar acima de todas as demais opiniões", argumentou a médica. "O Departamento de Estado (americano) evacuará mais pessoas de Wuhan", acrescentou. Vários aviões foram selecionados para essa operação. Os CDCs enviarão especialistas neste final de semana a quatro base militares de onde sairão as aeronaves.

Desde o último domingo, qualquer viajante não americano que tenha visitado a China há no mínimo 14 dias não poderá entrar nos Estados Unidos. Os cidadãos americanos que tenham visitado Hubei nos últimos 14 dias também ficarão isolados por 14 dias. As restrições não se aplicam a Hong Kong ou Macau.

Dos 11 casos registrados nos EUA, a virulência dos sintomas varia muito de um paciente para outro, disse Messonnier. Alguns sintomas são "bastante moderados", enquanto outros precisaram receber assistência respiratória.

Veja também

ONU teme 'crimes hediondos em massa' em Mianmar
Direitos Humanos

ONU teme 'crimes hediondos em massa' em Mianmar

Nasa prevê lançar em fevereiro de 2022 seu novo programa lunar Artemis
Projeto Artemis

Nasa prevê lançar em fevereiro de 2022 seu novo programa lunar Artemis