Mundo

EUA defendem sanções à Rússia até que Crimeia seja devolvida à Ucrânia

"De qualquer modo, a terrível situação no leste da Ucrânia exige uma clara e firme condenação das ações da Rússia", frisou embaixadora americana na ONU

Navio de guerra russoNavio de guerra russo - Foto: Ozan Kose/AFP

A embaixadora americana na ONU, Nikki Haley, condenou nesta quinta-feira (2) as últimas "ações agressivas" da Rússia na Ucrânia, em suas primeiras declarações públicas no Conselho de Segurança.

"Nós queremos melhorar nossas relações com a Rússia. De qualquer modo, a terrível situação no leste da Ucrânia exige uma clara e firme condenação das ações da Rússia", frisou Haley.

Washington manterá as sanções impostas em 2014 à Rússia enquanto perdurar a anexação da península da Crimeia, informou a embaixadora. "Os Estados Unidos apoiam o povo da Ucrânia que sofre há quase três anos sob a ocupação e a intervenção militar russas", acrescentou.

Essa primeira intervenção dos EUA no Conselho de Segurança após a posse do presidente Donald Trump, no entanto, difere do tom amigável que o republicano tem usado com Moscou. Ele já afirmou, por exemplo, que é uma vantagem ter a simpatia do presidente russo, Vladimir Putin.

Em março de 2014, em meio a uma crise política na Ucrânia, Moscou anexou a península da Crimeia, de maioria étnica russa. Kiev e o Ocidente acusa a Rússia de apoiar grupos separatistas no leste ucraniano, o que Moscou nega.

Também nesta quinta-feira, o Departamento do Tesouro dos EUA revisou algumas sanções contra os serviços de inteligência da Rússia para facilitar a venda de equipamentos eletrônicos ao mercado russo.

A medida fazia parte das punições impostas pelo ex-presidente Barack Obama às agências de inteligência de Moscou devido à suposta interferência na eleição que levou Trump à Casa Branca.

Veja também

Biden pede que americanos enfrentem 'lobby das armas'
Estados Unidos

Biden pede que americanos enfrentem 'lobby das armas'

China enfrenta novas denúncias de abusos, durante visita de comissária da ONU
Repressão a uigures

China enfrenta novas denúncias de abusos, durante visita de comissária da ONU