Mundo

EUA esperam completa desnuclerização da Coreia do Norte até o fim de 2020

É a primeira menção a um cronograma para o fim das armas nucleares na Coreia do Norte

Mike Pompeo, secretário de Estado dos EUAMike Pompeo, secretário de Estado dos EUA - Foto: Jung Yeon-Je/Pool/AFP

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, afirmou nesta quarta-feira (13) esperar que as negociações com a Coreia do Norte levem à completa desnuclearização do país num prazo de até dois anos e meio - ou seja, até o fim de 2020.

É a primeira menção a um cronograma para o fim das armas nucleares no país.
O período coincide com o fim do mandato do presidente Donald Trump, que se reuniu com o ditador norte-coreano Kim Jong Un nesta terça (12).

Leia também:
Trump diz que cúpula com Kim Jong Un contribuiu para evitar "catástrofe nuclear"


O encontro de Trump e Kim foi considerado histórico, por marcar a primeira reunião de um presidente americano com um líder da Coreia do Norte. Bill Clinton (2009) e Jimmy Carter já se encontraram com dirigentes norte-coreanos, mas quando não estavam mais na Casa Branca.

Mas o resultado foi uma declaração considerada vaga por especialistas, que repete promessas descumpridas no passado e não estabelece prazos para que a prometida desnuclearização total da península Coreana seja levada a cabo.

Pompeo defendeu o compromisso obtido nesta semana e disse que muito do que foi negociado e acordado com os norte-coreanos não foi incluído no documento final - como o consenso de que as armas nucleares do país serão verificadas e fiscalizadas "em profundidade" por observadores internacionais.

"Nós temos trabalhado nisso há meses, e estou confiante de que o processo vai se mover muito rapidamente daqui em diante", afirmou o secretário. De acordo com Pompeo, as reuniões entre os técnicos dos dois países para estabelecer os próximos passos devem ocorrer a partir da próxima semana.

Logo após o encontro de terça-feira (12) entre os dois líderes em Singapura, Trump reconheceu que será necessário um grande esforço para desmobilizar um arsenal como o norte-coreano e que há impeditivos "científicos e mecânicos" para que isso seja feito de forma rápida.

Veja também

Dia de horror: o que se sabe até agora sobre massacre no Texas
Ataque

Dia de horror: o que se sabe até agora sobre massacre no Texas

Mais de 200 casos confirmados de varíola do macaco no mundo, segundo agência europeia
Internacional

Mais de 200 casos confirmados de varíola do macaco no mundo