EUA matam importante líder da Al-Qaeda no Afeganistão

Al-Qahtani foi morto no dia 23 de outubro, em Kunar

Ministro do STF, Gilmar MendesMinistro do STF, Gilmar Mendes - Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

O Pentágono confirmou nesta sexta-feira a morte do emir Farouq al-Qahtani, principal líder da Al-Qaeda no Afeganistão, durante um ataque aéreo americano no mês passado, no mais duro golpe recente contra o grupo, que tenta se restabelecer no país. "Este ataque bem sucedido é mais um exemplo das operações de Estados Unidos para degradar as redes terroristas internacionais e tomar como alvo líderes terroristas que buscam atingir a pátria americana, nossos interesses e nossos aliados no exterior", disse o porta-voz do departamento de Defesa, Peter Cook.

Al-Qahtani foi morto no dia 23 de outubro, em Kunar. Cook disse que outro líder da Al-Qaeda no Afeganistão, Bilal al-Utabi, foi alvo de um segundo ataque, cujo resultado é desconhecido.

No final de outubro, a Direção Nacional de Segurança (NDS) afegã informou que "Farouq al-Qahtani, Bilal al-Utabi e um terceiro membro do grupo morreram em um ataque da coalizão na província de Kunar".

O ataque foi realizado com drones, que dispararam vários mísseis contra dois prédios separados, onde estavam os alvos. Ao menos 15 rebeldes morreram no ataque, incluindo dois árabes e vários combatentes talibãs paquistaneses, segundo o porta-voz provincial Abdul Ghani Mosamem.

Um oficial americano qualificou a operação como a "mais importante contra a Al-Qaeda em muitos anos". "Eles são os líderes mais importantes da Al-Qaeda no Afeganistão. Sua morte representaria um sério revés para o grupo terrorista", disse na ocasião Peter Cool, do serviço de imprensa do Pentágono.

Os Estados Unidos perseguiam Al-Qahtani - ligado ao finado líder Osama Bin Laden - há vários anos. Al-Qahtani era apontado como o organizador e financiador dos ataques contra as forças da coalizão no Afeganistão, assim como no sudeste da Ásia e no Ocidente.

Já Al-Utabi era considerado o responsável por "converter o Afeganistão em uma retaguarda segura a partir de onde ameaçaria o Ocidente, e por supervisionar o recrutamento e o treinamento dos combatentes estrangeiros", segundo Peter Cook.

Al-Qahtani havia sido localizado em 2012, mas o ataque para eliminá-lo foi cancelado no último minuto devido ao risco de que fossem registradas vítimas civis. De nacionalidade catariana, Al-Qahtani teria nascido na Arábia Saudita entre 1979 e 1981, e estava ativo no Afeganistão ao menos desde 2009.

A partir de 2012, Al-Qahtani enviou vários suicidas contra bases das forças militares afegãs e comboios da coalizão ocidental, segundo oficiais do Pentágono.

Veja também

Após morte de George Floyd, capas de revistas com negros disparam
EUA

Após morte de George Floyd, capas de revistas com negros disparam

Pandemia implode sistema de testes, e Alemanha e França reimpõem bloqueios
Coronavírus

Pandemia implode sistema de testes, e Alemanha e França reimpõem bloqueios