A-A+

EUA pedem a solicitantes de visto detalhes sobre redes sociais

As autoridades explicam que a nova exigência é uma medida antiterrorista

Passaporte brasileiroPassaporte brasileiro - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O Departamento de Estado americano passou a requerer de quase todos os solicitantes de visto que prestem informações sobre suas contas em redes sociais e outros detalhes pessoais. As autoridades explicam que a nova exigência é uma medida antiterrorista, mas críticos manifestam sérias preocupações com a liberdade de expressão.

Solicitantes de visto para os Estados Unidos (EUA) precisam agora comunicar o nome das contas que tenham mantido em redes sociais, como Twitter e Facebook, nos últimos cinco anos.

Leia também:
EUA abandonam Conferência de Desarmamento da ONU presidida pela Venezuela
Qualquer que seja novo governo na Venezuela, deverá dar retorno ao investimento chinês, diz Mourão

O Departamento de Estado também pede o número de telefone e os endereços de e-mail do solicitante correspondentes ao mesmo período. Cidadãos de 38 países e territórios são autorizados a viajar sem visto para os Estados Unidos a passeio ou negócios por até 90 dias.

No entanto, necessitam de visto solicitantes que planejem estadias mais longas, cidadãos de outros países e territórios e quem pretenda imigrar para os Estados Unidos. Segundo órgãos de mídia americanos, estima-se que a cada ano 15 milhões de pessoas serão afetadas pela mudança — proposta no ano passado pelo governo Trump.

A União Americana de Liberdades Civis criticou a medida, com o argumento de que ela terá efeito desencorajador sobre a liberdade de expressão. Para a entidade, é muito provável que, cientes de serem observadas pelo governo, as pessoas passem a se autocensurar online.

Veja também

Lava do vulcão nas Ilhas Canárias desce lentamente para o mar
La Cumbre Vieja

Lava do vulcão nas Ilhas Canárias desce lentamente para o mar

Quem ajuda a África na batalha pelas vacinas? Continente tem apenas 3,6% de imunizados
Pandemia

Quem ajuda a África na batalha pelas vacinas? Continente tem apenas 3,6% de imunizados