EUA querem novas armas nucleares para fazer frente à Rússia

Segundo o governo de Donald Trump, a Rússia está modernizando um arsenal de 2.000 armas nucleares táticas, ameaçando os países europeus em suas fronteiras

Presidente americano Donald TrumpPresidente americano Donald Trump - Foto: Nicholas Kamm/AFP

Os Estados Unidos querem adquirir novas armas nucleares de baixa potência em resposta ao rearmamento da Rússia, segundo a nova "Postura Nuclear", publicada nesta sexta-feira (2) pelo Pentágono. Estas novas armas, que segundo especialistas aumentam o temor de proliferação e o risco de conflito nuclear, representam uma "resposta à expansão das capacidades (nucleares) da Rússia", disse a jornalistas Greg Weaver, encarregado das capacidades estratégicas do Estado-maior americano.

O documento do Pentágono, cujo rascunho vazou para a imprensa no mês passado, menciona as ameaças de China, Coreia do Norte e Irã, avaliando que a situação mundial atual é muito mais complexa que em 2010, quando publicou sua última revisão da postura nuclear.

Leia também:
Estados Unidos mantém acusações a Rússia sobre armas químicas na Síria
Potências mundiais se reúnem em Paris contra uso de armas químicas na Síria


Mas o que preocupa Washington é especialmente o "decidido retorno de Moscou à competência entre as principais potências", como aponta o ministro da Defesa americano, Jim Mattis, no prefácio do texto de 75 páginas.

Segundo o governo de Donald Trump, a Rússia está modernizando um arsenal de 2.000 armas nucleares táticas, ameaçando os países europeus em suas fronteiras e passando por cima de suas obrigações devido ao novo tratado START para reduzir o número de armas nucleares, assinado em 2010.

O Pentágono notou uma "disparidade" entre as capacidades russas e as dos Estados Unidos e da Otan, disse Weaver.

Veja também

Google bloqueia rede de crimes cibernéticos que 'sequestrava' um milhão de dispositivosSegurança nas redes

Google bloqueia rede de crimes cibernéticos que 'sequestrava' um milhão de dispositivos

Chile dá novo passo contra discriminação e aprova casamento homoafetivoMundo

Chile dá novo passo contra discriminação e aprova casamento homoafetivo