SÍRIA

EUA reforçam luta contra EI

As FDS receberam pela primeira vez blindados americanos

Ajuda militar destina-se às Forças Democráticas da SíriaAjuda militar destina-se às Forças Democráticas da Síria - Foto: devilsoulei man/afp

 

Milícias curdas e árabes que combatem a organização terrorista Estado Islâmico (EI) na Síria afirmaram ter recebido apoio militar mais intenso dos Estados Unidos desde a posse do presidente Donald Trump, inclusive com a chegada de veículos blindados.

Durante o governo do presidente Barack Obama, as Forças Democráticas da Síria (FDS) -uma coalizão de grupos das etnias curda e árabe que atua no norte da Síria- vinham recebendo apoio limitado, como munições e armas leves.

Atualmente, as FDS participam de uma campanha por solo para cortar as rotas de acesso do EI à cidade de Raqqa, bastião dos extremistas na Síria. Os combatentes têm apoio de ataques aéreos da coalizão internacional liderada pelos EUA.

“As FDS receberam pela primeira vez blindados americanos. Isso aconteceu após a chegada ao poder da administração do Donald Trump”, disse um porta-voz do grupo. Os veículos blindados chegaram nos últimos quatro ou cinco dias, segundo o grupo, que não informou quantos foram entregues.

“Ocorreram encontros entre as FDS e representantes da nova administração, que nos prometeram mais apoio, em particular para a batalha por Raqqa”, disse.

Prioridade
O apoio do governo Trump às facções armadas na Síria faz parte da estratégia americana de combate ao terrorismo. O republicano afirma que uma das prioridades de seu governo é “acabar com o EI”.

Apesar de sinalizar maior apoio às milícias que combatem o EI na Síria, Trump indica que irá retirar o apoio dos EUA aos grupos rebeldes que lutam na Síria há quase seis anos para derrubar o ditador Bashar al-Assad.

 

Veja também

Dez entidades pedem à França que corte importação de produtos brasileiros
Meio Ambiente

Dez entidades pedem à França que corte importação de produtos brasileiros

Prédio da ONU é atacado no oeste do Afeganistão
Atentado

Prédio da ONU é atacado no oeste do Afeganistão