EUA vão permitir ações judiciais sobre bens confiscados por Cuba

O secretário de Estado americano, Mike Pompeo, anunciou que cidadãos americanos poderão apresentar ações contra empresas e indivíduos utilizando bens confiscados por Cuba

Secretário de Estado dos EUA, Mike PompeoSecretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O governo do presidente Donald Trump informou que cidadãos americanos agora poderão ingressar com ações judiciais sobre patrimônio confiscado após a Revolução Cubana de 1959.

O secretário de Estado americano, Mike Pompeo, anunciou que cidadãos americanos poderão apresentar ações contra empresas e indivíduos utilizando bens confiscados por Cuba. Essas ações haviam sido autorizadas por uma lei americana de 1996.

Entretanto, governos anteriores haviam suspendido a regra devido à oposição de outros países. Pompeo explicou que Cuba tem mantido o presidente venezuelano Nicolás Maduro no poder e que uma aproximação conciliatória com Cuba já fracassou.

Leia também:
Bolsonaro e Kim Jong-un estrelam vídeo eleitoral de Trump
Trump ameaça novamente fechar a fronteira com México

O governo dos EUA disse que há quase 6 mil demandas de empresas e cidadãos americanos visando patrimônio confiscado num valor total estimado de aproximadamente 8 bilhões de dólares. Ações judiciais poderão ser apresentadas também contra empresas estrangeiras investindo em Cuba.

A União Europeia e o Canadá emitiram uma declaração conjunta sobre a decisão americana. Eles dizem que a "aplicação extraterritorial de medidas unilaterais relacionadas a Cuba" é contrária ao Direito Internacional.

Veja também

Pandemia desacelera, mas EUA não se dispõe a abrir fronteiras como a UE
Internacional

Pandemia desacelera, mas EUA não se dispõe a abrir fronteiras como a UE

Itália suspenderá obrigatoriedade das máscaras ao ar livre em 28 de junho
Europa

Itália suspenderá obrigatoriedade das máscaras ao ar livre em 28 de junho