Ex-assessora de segurança de Obama nega acusações de espionagem a Trump

Rice disse que seus últimos meses na Casa Branca se concentraram na interferência da Rússia na eleição que levou Trump ao poder

Donald TrumpDonald Trump - Foto: Jim Lo Scalzo/Epa Pool/AFP

A ex-assessora de segurança da Casa Branca, Susan Rice, negou nesta terça-feira ter recorrido a arquivos oficiais de inteligência para obter informação política contra o presidente dos Estados Unidos Donald Trump.

Enquanto os republicanos tentam desviar a atenção pública para as acusações não comprovadas de que o governo de Barack Obama espionou Trump, Rice disse que seus últimos meses na Casa Branca se concentraram na interferência da Rússia na eleição que levou Trump ao poder.

"A acusação é que de alguma forma os funcionários do governo de Obama utilizaram a inteligência para fins políticos. Isso é absolutamente falso", disse à rede de televisão MSNBC.

Mais cedo, Trump retuitou uma mensagem que alega que Rice ordenou a compilação de um relatório onde se detalhavam as conversas telefônicas entre assessores de Trump e funcionários estrangeiros, que foram interceptadas pelas agências de inteligência dos Estados Unidos.

Na segunda-feira, dois relatórios -sem provas- afirmam que Rice ajudou a revelar a identidade dos funcionários de Trump, cujas comunicações foram rastreadas.

Rice garantiu que Obama ordenou uma ampla investigação sobre como a Rússia poderia ter interferido nas eleições de 2016, e admitiu que isso pôde ter resultado na inteceptação das comunicações de assessores de Trump pela inteligência americana.

"Desde o início de agosto até o final do governo (em 20 de janeiro) ouvimos cada vez mais informações sobre a ingerência da Rússia em nosso processo eleitoral, o que foi motivo de grande preocupação", disse.

"Houve um ritmo de relatórios que se acelerou à medida que a comunidade de inteligência obteve mais e mais informação sobre isso", acrescentou.

Veja também

Nove dos mineiros soterrados em mina na China morreram
RESGATE

Nove dos mineiros soterrados em mina na China morreram

Ricos saem ilesos, até mais fortes, da pandemia, aponta ONG
DESIGUALDADE

Ricos saem ilesos, até mais fortes, da pandemia, aponta ONG