Ex-presidente da África do Sul Jacob Zuma será processado por corrupção

Caso trata de contrato de armamento com indústrias estrangeiras que remonta aos anos 1990

Jacob Zuma, ex-presidente da África do SulJacob Zuma, ex-presidente da África do Sul - Foto: Mujahid Safodien/ AFP

O ex-presidente sul-africano Jacob Zuma será julgado por corrupção em um caso de contrato de armamento com indústrias estrangeiras que remonta aos anos 1990, anunciou nesta sexta-feira a procuradoria. "Há motivos razoáveis para pensar que as ações judiciais contra Zuma darão resultados", declarou o procurador-geral Shaun Abrahams em coletiva de imprensa em Pretória.

A justiça suspeita que Zuma cobrou propinas em um contrato de armamento de 5,16 bilhões de dólares, assinado em 1999 pela África do Sul com várias empresas estrangeiras, entre elas a francesa Thalès. Na ocasião, era vice-presidente do país. O ex-presidente será julgado por fraude e corrupção.

Leia também:
Cyril Ramaphosa é eleito novo presidente da África do Sul


A procuradoria-geral disse que a filial local de Thales também será julgada ao mesmo tempo que o ex-presidente. A empresa Thales não quis fazer comentários.

Em 2005, o ex-conselheiro financeiro de Zuma, Schabir Shaik, foi condenado a 15 anos de prisão por obter propinas. O presidente Thabo Mbeki aproveitou a ocasião para demitir seu adversário Zuma, acusado por corrupção.

As ações judiciais foram anuladas por ausência de provas e Zuma obteve sua revanche política no final de 2007, tirando Mbeki da presidência do partido ANC. Sua alegria durou pouco, pois dez dias depois a justiça voltou a indiciá-lo. Mais uma vez, a justiça decidiu, em 2008, invalidar o processo questões técnicas. Meses depois, Zuma foi eleito presidente e o caso pareceu definitivamente enterrado.

Mas o principal partido opositor, Aliança Democrática (DA), conseguiu pressionar os magistrados encarregados do caso graças a gravações telefônicas. Em 2016, a justiça ordenou o restabelecimento do caso contra Zuma.

Zuma, debilitado por vários escândalos de desvios de recursos públicos, anunciou em um discurso televisionado à nação que havia tomado a decisão de se renunciar ao cargo, embora estivesse em desacordo com a direção de seu partido.

O ex-sindicalista e empresário Cyril Ramaphosa assumiu o lugar de Zuma, de 75 anos e estava no poder desde 2009.

Veja também

Brasil veta plano do Mercosul por incluir expressão 'crimes de ódio' contra pessoas LGBT
mercosul

Brasil veta plano do Mercosul por incluir expressão 'crimes de ódio' contra pessoas LGBT

Usar máscara poderia evitar 130.000 mortes nos EUA, aponta estudo
Coronavírus

Usar máscara poderia evitar 130.000 mortes nos EUA, aponta estudo