Mundo

Ex-presidente da Catalunha será julgado em fevereiro por organizar votação separatista

O juiz instrutor afirmou que o líder catalão "articulou uma estratégia de desafio completo e efetivo à suspensão acordada pelo Tribunal Constitucional".

Vagas de empregoVagas de emprego - Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

O ex-presidente catalão Artur Mas (2010-2016) e dois membros do seu governo serão julgados no começo de fevereiro, em Barcelona, por "desobediência grave", por terem organizado em 2014 uma consulta simbólica sobre a independência, anunciou nesta sexta-feira o tribunal.

O anúncio coincide com uma reunião de cúpula no parlamento catalão organizada por seu sucessor, Carles Puigdemont, para planejar a organização, em setembro, de um referendo de autodeterminação vinculante na rica região do nordeste, embora vá de encontro à Justiça e ao governo espanhol.

"Acordo marcar para a realização das sessões do julgamento oral no presente processo os dias 6, 7, 8, 9 e 10 de fevereiro", assinala o juiz em seu despacho.

Antes da reunião de hoje, Mas citou com ironia "a felicitação natalina" recebida "por ter cometido um grande crime: ter ouvido as pessoas, instalado as urnas e permitido que as pessoas votassem". "Este julgamento é uma aberração, com todas as letras, mas assim é a democracia na Espanha", assinalou.

Sua vice-presidente, Joana Ortega, e a responsável pela Educação, Irene Rigau, são acusadas de desobediência grave e prevaricação, por terem promovido a consulta sobre a independência em 9 de novembro de 2014, que havia sido proibida pelo Tribunal Constitucional.

Da votação, que não teve efeito jurídico, participaram 2,3 milhões de pessoas, sobre um censo de cerca de 6 milhões, e 80% delas apostaram na secessão.

O juiz instrutor afirmou que o líder catalão "articulou uma estratégia de desafio completo e efetivo à suspensão acordada pelo Tribunal Constitucional".

A presidente do parlamento catalão, Carme Forcadell, também é investigada por desobediência, após permitir o debate e a aprovação de uma resolução que definia os passos a serem seguidos pela região até a independência.

Veja também

Mina com trabalhadores presos no México registra elevação 'abrupta' de água
México

Mina com trabalhadores presos no México registra elevação de água

Incêndio acidental em igreja no Cairo deixa mais de 40 mortos
Tragédia

Incêndio acidental em igreja no Cairo deixa mais de 40 mortos